Agência de Jornalismo Investigativo

“Estive em Barretos, no interior de São Paulo, acompanhando a maior festa de peão do mundo. (…) É uma festa que reúne por dia mais de 60 mil pessoas, sem nenhum incidente, com um clima familiar, em que o locutor chega a fazer uma reza, um Pai Nosso, para proteger todos.” – Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), deputado federal, no plenário, na terça-feira (1º)

4 de setembro de 2015
14:59
Este texto foi publicado há mais de 7 anos.

Embora a quantidade de ocorrências tenha diminuído 23% em relação a 2014, não é possível dizer que a Festa do Peão de Barretos não registrou nenhum incidente.

De acordo com o balanço feito pelo 33º Batalhão da Polícia Militar, houve 1.078 ocorrências policiais na edição deste ano. No ano passado, foram 1.405. Alguns problemas aumentaram. De acordo com reportagem do G1, ocorreram mais apreensões de armas brancas e de fogo. Enquanto em 2015 foram 13, em 2014 os casos subiram para seis. O número de prisões também cresceu, de 18 para 20. Foram apreendidos também 27 menores, contra seis em 2014. Não foram registrados incidentes graves.

No dia 22 de agosto, uma mulher foi presa em Colina, no interior de São Paulo, com 30 celulares furtados durante o evento. Os policiais localizaram os aparelhos porque um dos proprietários ativou o rastreador e conseguiu descobrir para onde o telefone havia sido levado.

A quantidade de ocorrências em 2015, no entanto, é maior do que a que foi registrada em 2013, quando se registrou um aumento de 96,5% em relação ao ano anterior. Houve 715 ocorrências naquele ano.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal