Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Com dado discutível, Alckmin diz que homicídios em Washington e Chicago superam SP

Candidato fez comparação para tentar mostrar seu bom desempenho na área de segurança, mas frase pode ser interpretada de duas maneiras

Checagem
19 de setembro de 2018
18:10
Este artigo tem mais de 5 ano
Geraldo Alckmin (PSDB) discursa durante o evento da União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs), em agosto: total de homicídios em SP superou o de cidades americanas citadas
Alckmin discursa durante o evento da Unecs, em agosto: total de homicídios em SP em números absolutos superou o de cidades americanas citadas

“[São Paulo tem] menos homicídios que Chicago, que Washington, nos Estados Unidos.” – Geraldo Alckmin (PSDB), em sabatina da FAAP e Estadão.

Discutível

Em sua campanha presidencial, Geraldo Alckmin (PSDB) tem destacado a alta queda dos homicídios em São Paulo durante seus mandatos como governador. Em sabatina realizada pela Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP) e pelo jornal O Estado de S. Paulo no dia 6 de setembro, o candidato disse que o número de homicídios de São Paulo é menor do que o das cidades americanas de Washington e Chicago.

Segundo dados oficiais, tanto o estado quanto a cidade de São Paulo tiveram números absolutos muito maiores de homicídios do que essas cidades, mas as taxas por 100 mil habitantes são, de fato, menores. Ou seja, há duas interpretações possíveis para a frase. Por isso, o Truco – projeto de checagem da Agência Pública – classificou a afirmação como discutível.

A assessoria do candidato não enviou a fonte usada pelo candidato. De acordo com o Anuário de Segurança Pública de 2018, foram registradas 4.831 mortes violentas no estado de São Paulo em 2017. Já a cidade de São Paulo registrou 1.344 mortes violentas.

Chicago e Washington registraram números muito menores. A primeira, segundo dados do departamento de polícia local, teve 476 homicídios em 2017 – menos da metade dos homicídios na cidade de São Paulo e menos de 10% do estado. Já Washington, capital dos Estados Unidos, teve 116 homicídios em 2017 – 8% do número registrado na cidade de São Paulo e 2% do registrado no estado.

Taxas de homicídio

Como as cidades americanas são menos populosas do que São Paulo, apenas as taxas de homicídio por 100 mil habitantes registradas foram maiores. Em Chicago, cidade com 2,7 milhões de pessoas, foram 17,5 homicídios por 100 mil habitantes. Já em Washington, cuja população é de 694 mil pessoas, ocorreram 16,7 homicídios por 100 mil habitantes. No estado de São Paulo, a taxa foi de 10,7 por 100 mil habitantes e, na capital paulista, de 11,1 por 100 mil habitantes.

A assessoria de imprensa do candidato foi informada sobre o selo, mas não respondeu no prazo estabelecido.

Valter Campanato/ Agência Brasil

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Comemoração do Dia Nacional de Luta das Pessoas Deficientes na Câmara dos Deputados, em 2016: dados sobre essa parcela da população foram exagerados pelo candidato

Eymael exagera dado sobre crianças e jovens com deficiência

Por

Levantamentos do IBGE mostram que parcela dos brasileiros nessa condição é menor do que o porcentual citado pelo candidato

Em vídeo falso, Bonner diz a Haddad que Bolsonaro não é investigado

Por

Montagem de entrevista no Jornal Nacional manipulou a fala do jornalista; candidato do PSL, na realidade, é réu no STF

Notas mais recentes

Castração química: o caminho do projeto de lei aprovado sem debate na CCJ do Senado


Na ONU, mulheres indígenas do Amapá pedem fim da exploração de petróleo na Amazônia


Familiares de mortos e desaparecidos vão denunciar Estado brasileiro à corte da OEA


Pressão: Indústria tabagista marca presença em audiência no Senado para liberar vapes


Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


Leia também

Eymael exagera dado sobre crianças e jovens com deficiência


Em vídeo falso, Bonner diz a Haddad que Bolsonaro não é investigado


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes