AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Elisângela chegou a tempo de ver sua casa cair: Veja o minidoc

Vídeo conta a história da carioca que teve a casa onde morava com a filha derrubada sem aviso e comenta lógica de despejos para megaeventos

Quando a prefeitura chegou para demolir a casa de Elisângela no morro Pavão-Pavãozinho no Rio de Janeiro, ela não estava lá. Sua filha de 17 anos atendeu a porta e escutou que o imóvel seria derrubado naquele momento. Em pânico, a menina avisou a mãe por telefone: ““Tem vários homens da Prefeitura aqui na porta; eles estão dizendo que vão derrubar a nossa casa”. Elisângela correu, tentou argumentar, pedir um tempo para arrumar outra casa mas foi inútil. Em poucas horas só restavam entulhos no lugar. Isso aconteceu no começo de 2011 e até hoje Elisângela não foi indenizada ou reassentada. Sua filha teve de ir morar com a avó enquanto ela ainda luta por um lugar para morar.

O minidoc “O Legado Somos Nós: A História de Elisângela” é o primeiro de uma série de vídeos retratos que estão sendo produzidos pela organização de direitos humanos Witness em parceria com o Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas para contar a história de pessoas atingidas por remoções forçadas no Rio de Janeiro, ligadas direta ou indiretamente com a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Priscila Neri, da Witness explica que a ideia é contrapor a narrativa oficial de que tudo está sendo feito de acordo com a lei e em um diálogo constante com as comunidades.

No caso específico de Elisângela, a justificativa dada na época para a remoção foi a de que aquela área do Pavão-Pavãozinho era de risco, mas apenas algumas casas foram derrubadas e, segundo o Comitê Popular do Rio, a prefeitura nem chegou a retirar o entulho. O morro fica entre duas zonas nobres centrais do Rio: Ipanema e Copacabana.

Segundo o Dossiê do Comitê Popular da Copa e Olimpíadas do Rio de Janeiro,  sob o argumento do risco geotécnico ou estrutural, a Prefeitura Municipal pretende remover mais de 300 famílias na comunidade Pavão-Pavãozinho: “Até o momento a Prefeitura não apresentou o laudo que comprove o risco e nem discutiu com a comunidade a possibilidade de realização de obras para garantir a segurança dos moradores”.

Ainda segundo informações do Comitê Popular do Rio, engenheiros que realizaram laudos técnicos em áreas como o Morro do Pavão-Pavãozinho apontaram que a realização de uma obra de contenção ou reforço da encosta, para eliminar o risco de deslizamento, sairia inclusive mais barato do que o reassentamento das famílias que moram no local.

Veja o minidoc:

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Tags: , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • tres_tragique

    O Dossie não tem palavras…?

  • gian

    nossa eu quase chorei por causa dela se eu tivese dinheiro eu ajudaria essas pessoas to com pena dela

  • JOSE CARLO

    QUE PAIS E ESSE NÃO TEM DINHEIRO PRA SAUDE, PARA O ENSINO,SALARIO MINIMO, MAS PARA FAZER UMA COPA ELES TEM E FAZEM O Q QUEREM COM O POVO QUE PAIS E ESSE?

  • João

    Q PAÍS É ESSE??? Q JOGA OS PRÓPRIOS MORADORES DAS SUAS CASAS SEM CAUSA ALGUMA?? BRASIL: UM PAÍS DE TOLOS

  • sopphis

    E porque estas pessoas que estao sendo despejadas, que moram em aerea irregular nao exigem regularizaçao e nao procuram o ministério publico. Qualquer cidadao tem direito de faze-lo. Outra coisa é ocupaçao irregular, porque nao exiegem regularizaçao dos lotes, dos terreno , porque quando se trata de construçao de condominio de luxo ou de classe média nao tem problema pra regularizar. O povo tem que começar a se informar dos seus direitos e exigir tratamento igual para todos, pobres ou ricos. é por isso que os governos reacionàrios fazem o que querem, porque os ditos mais ” humildes ” se mantem numa condiçao de fragilidade absurda. Corre atràs gente, usem a revolta como instrumento legal.

Hoje não tem água nem aula

Hoje não tem água nem aula

| por | 24 de agosto de 2015

Desde 2013, as escolas paulistas sofrem com a crise de abastecimento de água, reconhecida recentemente pelo governo do estado. Para pais, professores e diretores, a falta de orientação aos gestores escolares agrava o prejuízo dos alunos. Leia a primeira reportagem das microbolsas sobre Crianças e Água promovidas pelo Instituto Alana em parceria com a Agência Pública

Eles que comam ouro!

| por | 19 de agosto de 2015

Camponeses das comunidades ao longo do rio Marañón, um dos mais importantes afluentes do Amazonas, resistem às obras da Odebrecht para instalar hidrelétricas em Cajamarca, celeiro de alimentos do Peru

A arte de ignorar a natureza

A arte de ignorar a natureza 4

| por | 28 de julho de 2015

Engevix, Leme e CNEC-WorleyParsons: conheça as três empresas que se revezam na elaboração de estudos de impacto ambiental das maiores usinas hidrelétricas do país. Para acelerar o início das obras, vale tudo

Hoje não tem água nem aula

Hoje não tem água nem aula

| por | 24 de agosto de 2015

Desde 2013, as escolas paulistas sofrem com a crise de abastecimento de água, reconhecida recentemente pelo governo do estado. Para pais, professores e diretores, a falta de orientação aos gestores escolares agrava o prejuízo dos alunos. Leia a primeira reportagem das microbolsas sobre Crianças e Água promovidas pelo Instituto Alana em parceria com a Agência Pública

Eles que comam ouro!

| por | 19 de agosto de 2015

Camponeses das comunidades ao longo do rio Marañón, um dos mais importantes afluentes do Amazonas, resistem às obras da Odebrecht para instalar hidrelétricas em Cajamarca, celeiro de alimentos do Peru

Tools