Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Codiretora e editora

Natalia Viana é jornalista há 20 anos, diretora e co-fundadora da Agência Pública e Jornalismo Investigativo. É autora e co-autora de quatro livros sobre violações direitos humanos: Plantados no Chão (Conrad, 2007), Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010) e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005/2016), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016). Em 2016, foi a jornalista brasileira mais premiada. Em 2019, sua série Efeito Colateral, sobre civis mortos pelo Exército, foi finalista do prêmio Shining Light Award, da Rede Global de Jornalistas Investigativos.

Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez. Escreve colunas de opinião para o site El Diario, na Espanha.

CHAVE PGP A697CBC1D5109E76


Mais recentes

Paixão pelo jornalismo, urgência da colaboração e grito das favelas marcaram Festival 3i

23 de outubro de 2019 | por , e

Evento ocorreu na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro, e reuniu jornalistas de oito países e diversas regiões e “quebradas” do Brasil

No Chile, internet serve de “janela” contra toque de recolher e cerco do Exército

22 de outubro de 2019 | por

Em entrevista à Pública, diretora da Fundación Ciudadanía Inteligente Latinoamérica explica por que os protestos estão fazendo a juventude questionar a democracia chilena

Quem vai estar no Festival 3i

11 de outubro de 2019 | por

Encontro vai reunir jornalistas que passaram de veículos tradicionais a novas iniciativas, repórteres investigativos, comunicadores comunitários, tecnólogos e empreendedores

Minha felicidade ficou para trás, diz viúva de Evaldo Rosa

7 de outubro de 2019 | por

Seis meses depois do assassinato de seu marido por soldados do Exército, Luciana Nogueira conta como conseguiu manter limpo o seu nome

“Eu queria que os soldados do Exército fossem a júri popular”

6 de setembro de 2019 | por

Cinco meses após o fuzilamento de Evaldo Rosa pelo Exército, seu sogro, que também foi atingido, conta à Pública por que não acredita na Justiça Militar

Los pastores de Trump llegan a la Brasilia de Bolsonaro

12 de agosto de 2019 | por e

Con financiamiento del vicepresidente estadounidense, Capitol Ministries ya abrió ministerios en seis países latinoamericanos desde 2017

Os pastores de Trump chegam à Brasília de Bolsonaro

12 de agosto de 2019 | por e

Com financiamento do vice-presidente americano, Capitol Ministries já abriu ministérios em seis países latinoamericanos desde 2017

Marilene Felinto: “Se o Otavio Frias estivesse vivo, ajudaria a derrubar o Bolsonaro”

19 de julho de 2019 | por e

Em entrevista à Pública, a escritora conversou sobre sua participação na Flip, política e cobertura da imprensa no atual governo

Tariq Ali: “Você olha para Sergio Moro e não vê a cara da Justiça”

11 de julho de 2019 | por

Escritor paquistanês diz que Moro é "enganador e corrupto" e conta sobre “Em defesa de Julian Assange”, livro que reúne textos de Noam Chomsky, Chelsea Manning, entre outros

Deixar de publicar informações vazadas é trair o jornalismo

1 de julho de 2019 | por

É dever do jornalista checar a veracidade, analisar o conteúdo, separar o joio do trigo, e publicar tudo o que a população deve saber

Justiça Militar investiga civis por desacato mas poupa soldados que matam

27 de junho de 2019 | por e

Levantamento inédito da Agência Pública mostra que 144 civis responderam por crimes militares como desobediência e desacato durante Operações de Garantia da Lei e da Ordem

Podcast: Choveu dinheiro no largo da Carioca

3 de junho de 2019 | por e

As repórteres da Pública seguem os rastros da corrupção que se espalharam pelo centro do Rio de Janeiro e detalham os esquemas de propina, fraude e desvio de dinheiro que marcaram a história do Brasil