Agência de Jornalismo Investigativo

Natalia Viana

Codiretora

Natalia Viana é jornalista há 18 anos, diretora e co-fundadora da Agência Pública e Jornalismo Investigativo. Cobriu temas sociais internacionais, desde o drama dos refugiados tibetanos no Norte da Índia, indígenas sob massacre na Colômbia e em favelas de Cancún, no México, até violações de direitos humanos do regime autoritário em Angola e suas relações com a empresa brasileira Odebrecht. É autora e co-autora de quatro livros sobre violações direitos humanos: Plantados no Chão (Conrad, 2007), uma denúncia dos assassinatos políticos no Brasil entre os anos de 2003 e 2006, Jornal Movimento, uma Reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas Corpus: Que Se Apresente o Corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010), sobre os desaparecidos políticos e o e-book O Bispo e Seus Tubarões, sobre o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai (Agência Pública, 2013). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo,  entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005 e 2016), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016). Em 2018, foi reconhecida como empreendedora social da rede Ashoka e passou a integrar o Conselho Reitor da Fundação Gabriel García Márquez.


Brazil Arms Exports: Country Preaches Peace, Sells Tons Of Arms

5 de março de 2012 | por e

Brazilian government pushes for more exports of light arms, while the industry lacks transparency. In 5 years Brazil exported 4,5 millions of guns and weapons

Indústria Brasileira de Armas

28 de janeiro de 2012

Série Especial que investiga o papel do Brasil como exportador de armas leves.

Brasil, produtor e exportador de armas

27 de janeiro de 2012 | por e

De maneira pouco transparente, governo incentiva crescimento da indústria. Levantamento inédito do Exército revela que em 5 anos exportamos 4,5 milhões de armas leves

Empresas de armas miram África e Ásia para ampliar exportações

27 de janeiro de 2012 | por e

Com apoio da diplomacia brasileira, empresas buscam mercado em países com violações de direitos humanos. Armas e munições foram para Tunísia, Paquistão e Iêmen

Em cinco anos, 4,3 milhões de armas nas ruas

27 de janeiro de 2012 | por e

Nos últimos 5 anos foram comercializadas 4,3 milhões de armas no Brasil – somente de fabricantes nacionais. Número é bem maior do que se estimava. Indústria não revela produção.

Julian Assange’s WikiLeaks: Ten Days That Changed The World

15 de dezembro de 2011 | por

As Assange fights against extradition to Sweden, a collaborator tells for the first time the story of the group that gathered a year ago to prepare the biggest leak in history.

Jornal Movimento, uma reportagem

15 de dezembro de 2011 | por e

Este livro conta a história do semanário Movimento, que circulou entre 1975 e 1981. Um jornal sem patrão, tocado pelos próprios jornalistas, que venceu a censura e promoveu a democracia em plena ditadura. Autores: Carlos Azevedo, Marina Amaral e Natalia Viana

Plantados no Chão

14 de dezembro de 2011 | por

Publicado em junho de 2007, o livro Plantados no Chão é uma compilação de mais de 180 casos de militantes assassinados nos primeiros 3 anos do governo Lula por causa da sua convicção. É uma tentativa de entender esses assassinatos, buscar estabelecer que padrão eles seguem, por que eles acontecem e perguntar como continuam a ocorrer em um governo que foi eleito com o apoio desses mesmos movimentos sociais. Autora: Natalia Viana

Especial Haiti

27 de setembro de 2011

Série de reportagens com base em entrevistas em campo, documentos e correspondência diplomática do Wikileaks.

HAITI: "Aba Minustah"

27 de setembro de 2011 | por e

Às vésperas de mais uma renovação da missão de paz, manifestantes pedem a saída das tropas da ONU comandadas pelo Brasil; documentos confirmam rumores de golpe contra Aristide

Parte II: O papel do Brasil é "impor a paz"

27 de setembro de 2011 | por e

Segundo fonte, tropas brasileiras foram contatadas pelo Comando Sul americano antes da queda de Aristide; estratégia de pacificação nas favelas haitianas serviram de base para as UPPs

Parte III: Mais abusos, menos punições

27 de setembro de 2011 | por e

Relatórios da controladoria da ONU revelam outros abusos sexuais envolvendo soldados da Minustah; para ex-diretora, soldados repatriados não são devidamente punidos