Agência de Jornalismo Investigativo

E mini doc produzido por alunos da UFRN conta a história dos moradores que podem ser despejados a qualquer momento

3 de julho de 2012
09:00
Este texto foi publicado há mais de 10 anos.
Especial: Copa Pública

Representantes da Prefeitura de Natal, associações populares e moradores se reuniram na sexta-feira (22) em uma audiência pública proposta pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP-RN), para apresentar e discutir soluções alternativas para o projeto de mobilidade urbana para a Copa de 2014. A ideia era estimular o diálogo entre moradores que estão sendo despejados de suas casas e o município mas, desde o início da audiência, ficou claro que os representantes do poder público não queriam conversar.

O espaço só foi aberto após protestos da comunidade e nenhuma decisão foi tomada depois de cinco horas de audiência. O laudo técnico sobre os pontos negativos das obras,que seria apresentado pelo MP-RN, também não foi divulgado, sem qualquer explicação.

A titular da Secretaria Municipal de Obras Públicas e infra-estrutura (Semopi), Teresa Cristina Vieira Pires, disse que a viabilidade dos projetos será discutida em uma nova reunião, ainda sem data definida.

Antônio Fernandes, 65, um dos moradores que serão despejados, estava sentado na quarta fila do auditório durante a audiência. Na entrada, ganhou uma pasta com o regimento do encontro, papel e caneta mas não conseguiu espaço para falar. Não ficou satisfeito,disse, depois da audiência: “Apesar de importante, eu não estou achando correto porque não estamos tendo uma resposta definitiva sobre o assunto. Eles tratam de outros temas,mas [sobre] os problemas de desapropriação a gente não está tendo nenhuma resposta. Eu achei que essa reunião ia trazer alguma resposta para nós, mas estamos do mesmo jeito que estávamos”.

Hélio Miguel, do Comitê Popular da Copa, também acredita que as principais questões de interesse dos futuros desalojados continuaram sem resposta: “O plano de reassentamento ainda não foi apresentado, apesar da prefeitura afirmar que já existe.” Disse.

Desde o dia 25 de maio, todas as obras de mobilidade urbana visando a Copa do Mundo de 2014, inclusive as desapropriações de imóveis residenciais e comerciais, estão suspensas até o fim do processo de análise e discussão dos projetos.

Veja o minidoc feito pelos alunos de comunicação da UFRN, especialmente para o Copa Pública, que conta a história de pessoas que serão desalojadas para a implementação destes projetos:

 

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal