Agência de Jornalismo Investigativo

E mini doc produzido por alunos da UFRN conta a história dos moradores que podem ser despejados a qualquer momento

3 de julho de 2012

Representantes da Prefeitura de Natal, associações populares e moradores se reuniram na sexta-feira (22) em uma audiência pública proposta pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP-RN), para apresentar e discutir soluções alternativas para o projeto de mobilidade urbana para a Copa de 2014. A ideia era estimular o diálogo entre moradores que estão sendo despejados de suas casas e o município mas, desde o início da audiência, ficou claro que os representantes do poder público não queriam conversar.

O espaço só foi aberto após protestos da comunidade e nenhuma decisão foi tomada depois de cinco horas de audiência. O laudo técnico sobre os pontos negativos das obras,que seria apresentado pelo MP-RN, também não foi divulgado, sem qualquer explicação.

A titular da Secretaria Municipal de Obras Públicas e infra-estrutura (Semopi), Teresa Cristina Vieira Pires, disse que a viabilidade dos projetos será discutida em uma nova reunião, ainda sem data definida.

Antônio Fernandes, 65, um dos moradores que serão despejados, estava sentado na quarta fila do auditório durante a audiência. Na entrada, ganhou uma pasta com o regimento do encontro, papel e caneta mas não conseguiu espaço para falar. Não ficou satisfeito,disse, depois da audiência: “Apesar de importante, eu não estou achando correto porque não estamos tendo uma resposta definitiva sobre o assunto. Eles tratam de outros temas,mas [sobre] os problemas de desapropriação a gente não está tendo nenhuma resposta. Eu achei que essa reunião ia trazer alguma resposta para nós, mas estamos do mesmo jeito que estávamos”.

Hélio Miguel, do Comitê Popular da Copa, também acredita que as principais questões de interesse dos futuros desalojados continuaram sem resposta: “O plano de reassentamento ainda não foi apresentado, apesar da prefeitura afirmar que já existe.” Disse.

Desde o dia 25 de maio, todas as obras de mobilidade urbana visando a Copa do Mundo de 2014, inclusive as desapropriações de imóveis residenciais e comerciais, estão suspensas até o fim do processo de análise e discussão dos projetos.

Veja o minidoc feito pelos alunos de comunicação da UFRN, especialmente para o Copa Pública, que conta a história de pessoas que serão desalojadas para a implementação destes projetos:

 

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Mais recentes

Ministério de Direitos Humanos recebe quatro denúncias contra policiais militares por dia

19 de julho de 2018 | por

Nos últimos sete anos, Disque 100 recebeu 7.856 denúncias, com 9.496 vítimas

Condenação dos 23 é recado para impedir novas mobilizações, diz Eloisa Samy

18 de julho de 2018 | por

A advogada condenada a 7 anos de prisão por sua participação nas jornadas de junho de 2013 conversou com a Pública sobre a sentença

Clamor por justiça

17 de julho de 2018 | por

A jornalista britânica Jan Rocha, que foi correspondente da BBC durante o regime militar, traz um trecho inédito do livro recém-lançado sobre grupo de apoio às famílias perseguidas pelas ditaduras latino-americanas

Explore também

O estopim da crise

22 de setembro de 2014 | por

O Pastor Silas Malafaia detonou o programa de Marina no twitter “no que tange aos direitos dos gays”; menos de 24 horas depois o programa mudou

Tem dinheiro público, sim, senhor

10 de junho de 2014 | por , , e

Pelo menos R$ 4,8 bilhões de dinheiro público foram gastos pelos governos estaduais com as arenas da Copa do Mundo, valor que não inclui pagamentos milionários dos estados a empreiteiras em PPPs

Bolsistas das Residências Públicas atravessam a linha de chegada

1 de setembro de 2016 | por

Jornalistas produzem 27 matérias sobre direitos humanos e Olimpíada