Buscar

Assista ao vídeo produzido pelos alunos da série de workshops Direitos em Rede, realizada pela Pública no Grajaú ao longo do ano

Da Redação
29 de outubro de 2015
09:16
Este artigo tem mais de 8 ano
IMG_0117
Os alunos, durante a produção do vídeo

Grajaú, São Paulo. CEU Vila Rubi, março de 2015. Já eram 19h30 da noite e a sala do Telecentro estava cheia de jovens concentrados, atentos e com muita vontade de aprender e produzir. Assim começou o primeiro encontro do Projeto Direitos em Rede, realizado pela Pública com apoio do Edital Redes e Ruas da Prefeitura de São Paulo.

A nossa ideia era ensinar aos alunos como abordar as questões de direitos humanos no fazer jornalístico, compartilhando a experiência da Pública em produção de vídeos. Queríamos fomentar uma produção midiática a partir do olhar de jovens interessados em expor a sua visão da cidade. Um desafio e tanto.

Como responsável pelo trabalho, comecei lendo para os alunos a Declaração Universal dos Direitos Humanos com o objetivo de eleger um tema para investigarmos coletivamente. Mas, para minha surpresa, não foi preciso discutir muito. Em pouco tempo todos já sabiam o que queriam: abordar o genocídio da juventude negra e pobre da periferia.

A pesquisa de fontes e dados não foi um problema. A maioria deles já tinha os números na ponta da língua – além de conhecerem, infelizmente, pessoas que fazem parte dessa triste estatística de violência do Estado. Alguns integrantes do grupo frequentam as reuniões da Comissão da Verdade da Democracia, estavam engajados em campanhas contra a redução da maioridade penal, em coletivos cineclubistas, no Fórum de Hip Hop, no Fórum de Cultura do Grajaú, ou todos esses grupos ao mesmo tempo. Encontrei nos alunos do curso uma juventude politizada e engajada, daquelas de fazer fé na humanidade.

Todos dividiam a mesma preocupação: como fugir das estatísticas e mostrar as pessoas por trás desse drama? A forma encontrada foi contar a história de Wiverson, jovem, negro, morto pela PM aos 23 anos em janeiro deste ano. Wiverson estava foragido da cadeia após o indulto de Natal. Wiverson foi morto suopstamente num confronto com a polícia, mas não se sabe como isso aconteceu. Ele é mais um dentre centenas de casos.

Quem trouxe a sua história para o grupo foi Rodolfo, um vizinho criado com ele quase como irmão. A determinação de Rodolfo em contar a história convenceu a todos. Mas como falar do tema? O grupo queria fugir das coberturas noticiosas em que as mortes de jovens relatadas sempre ressalvam que “a vítima tinha ligação com o tráfico”, tornando, assim, as mortes mais “palatáveis”. E escolheu um caminho diferente: humanizar a vítima, mostrar quem era Wiverson e seus dilemas, iguais aos de tantos outros jovens: as dificuldades de ser jovem na periferia, a difícil escolha da criminalidade.

Foi trabalhoso, mas não foi difícil. O envolvimento da galera facilitou tudo. “Vamos pensar o roteiro!”; “Vamos gravar!”; “Vixe, não vejo a hora!”; “Domingo de manhã? Sem problema!”; “Deixa que eu filmo…”, repetiam com entusiasmo. O resultado está aí. Para além da estatística trata de um tema inadiável e complexo por meio de um testemunho sensível e humano. Assista:

 

Para além da estatística from Agência Pública on Vimeo.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Leia também

396 mortes pela PM paulista: as histórias por trás dos BOs

Por , ,

A Pública analisou todos os boletins de ocorrência das mortes cometidas por policiais militares em 2014: roubos motivaram 86% das operações letais; nesses casos, 17 PMs ficaram feridos e nenhum morreu

Meio complicado

Notas mais recentes

Projeto de senador do PT que dá porte de armas a agentes socioeducativos avança no Senado


Alunos trans não podem usar seus banheiros em escolas, decide Comissão de Direitos Humanos


CPI da Braskem abre trabalhos no Congresso: o que isso tem a ver com a eleição em Alagoas


MPF apura denúncia de que bancos de sangue privados jogam doações de plasma em lixões


O que está em jogo na volta dos trabalhos no Congresso


Leia também

396 mortes pela PM paulista: as histórias por trás dos BOs


Meio complicado


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes