Agência de Jornalismo Investigativo

Assista ao vídeo produzido pelos alunos da série de workshops Direitos em Rede, realizada pela Pública no Grajaú ao longo do ano

29 de outubro de 2015
IMG_0117
Os alunos, durante a produção do vídeo

Grajaú, São Paulo. CEU Vila Rubi, março de 2015. Já eram 19h30 da noite e a sala do Telecentro estava cheia de jovens concentrados, atentos e com muita vontade de aprender e produzir. Assim começou o primeiro encontro do Projeto Direitos em Rede, realizado pela Pública com apoio do Edital Redes e Ruas da Prefeitura de São Paulo.

A nossa ideia era ensinar aos alunos como abordar as questões de direitos humanos no fazer jornalístico, compartilhando a experiência da Pública em produção de vídeos. Queríamos fomentar uma produção midiática a partir do olhar de jovens interessados em expor a sua visão da cidade. Um desafio e tanto.

Como responsável pelo trabalho, comecei lendo para os alunos a Declaração Universal dos Direitos Humanos com o objetivo de eleger um tema para investigarmos coletivamente. Mas, para minha surpresa, não foi preciso discutir muito. Em pouco tempo todos já sabiam o que queriam: abordar o genocídio da juventude negra e pobre da periferia.

A pesquisa de fontes e dados não foi um problema. A maioria deles já tinha os números na ponta da língua – além de conhecerem, infelizmente, pessoas que fazem parte dessa triste estatística de violência do Estado. Alguns integrantes do grupo frequentam as reuniões da Comissão da Verdade da Democracia, estavam engajados em campanhas contra a redução da maioridade penal, em coletivos cineclubistas, no Fórum de Hip Hop, no Fórum de Cultura do Grajaú, ou todos esses grupos ao mesmo tempo. Encontrei nos alunos do curso uma juventude politizada e engajada, daquelas de fazer fé na humanidade.

Todos dividiam a mesma preocupação: como fugir das estatísticas e mostrar as pessoas por trás desse drama? A forma encontrada foi contar a história de Wiverson, jovem, negro, morto pela PM aos 23 anos em janeiro deste ano. Wiverson estava foragido da cadeia após o indulto de Natal. Wiverson foi morto suopstamente num confronto com a polícia, mas não se sabe como isso aconteceu. Ele é mais um dentre centenas de casos.

Quem trouxe a sua história para o grupo foi Rodolfo, um vizinho criado com ele quase como irmão. A determinação de Rodolfo em contar a história convenceu a todos. Mas como falar do tema? O grupo queria fugir das coberturas noticiosas em que as mortes de jovens relatadas sempre ressalvam que “a vítima tinha ligação com o tráfico”, tornando, assim, as mortes mais “palatáveis”. E escolheu um caminho diferente: humanizar a vítima, mostrar quem era Wiverson e seus dilemas, iguais aos de tantos outros jovens: as dificuldades de ser jovem na periferia, a difícil escolha da criminalidade.

Foi trabalhoso, mas não foi difícil. O envolvimento da galera facilitou tudo. “Vamos pensar o roteiro!”; “Vamos gravar!”; “Vixe, não vejo a hora!”; “Domingo de manhã? Sem problema!”; “Deixa que eu filmo…”, repetiam com entusiasmo. O resultado está aí. Para além da estatística trata de um tema inadiável e complexo por meio de um testemunho sensível e humano. Assista:

 

Para além da estatística from Agência Pública on Vimeo.

Mais recentes

A eleição do “kit gay”

17 de outubro de 2018 | por , , e

Buscas na internet por “kit gay” nestas eleições bateram recorde de 2011, quando o assunto veio à tona; Bolsonaro e Malafaia lideram menções ao “kit”

Deep fakes são ameaça no horizonte, mas ainda não são arma para eleições, diz especialista

16 de outubro de 2018 | por e

Em entrevista à Pública, o pesquisador Aviv Ovadya explica quais serão as consequências do uso de tecnologias avançadas para a produção de mentiras espalhadas pelas redes sociais

Frei Betto: “Vejo paralelo entre o momento atual e a eleição de Hitler na Alemanha”

11 de outubro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, o frade dominicano e escritor afirma que Bolsonaro é resultado da omissão do judiciário que permitiu a "lei esdrúxula da anistia recíproca" e que o PT "não cuidou de promover a alfabetização política do povo"

Truco!

Como assim, Anastasia? Senador diz que não tem patrimônio, mas é milionário

17 de outubro de 2018

Além de mais de R$ 1,3 milhão em bens, Anastasia recebe um salário de mais de R$ 20 mil do Senado e mora em apartamento funcional do governo — seu concorrente, Romeu Zema, é ainda mais rico

Doria acerta ao falar sobre apuração de mortes de ex-prefeitos do PT

17 de outubro de 2018

Polícia Civil e Ministério Público ainda mantêm procedimentos abertos sobre os casos de Toninho do PT e Celso Daniel

Bolsonaro não rejeitou aliança com Helder Barbalho: seu partido está coligado com MDB no Pará

16 de outubro de 2018

É falsa a imagem que reproduz suposta postagem do candidato Jair Bolsonaro declarando que jamais se aliaria “a uma família de corruptos”, em referência à família Barbalho. A coligação liderada por Helder Barbalho (MDB) recebe apoio do PSL, partido de Bolsonaro.

Explore também

Senadores aprovam continuidade do impeachment contra a presidente Dilma Rousseff

Bancadas de investigados e empreiteiras votaram para afastar Dilma

12 de maio de 2016 | por e

Maioria dos senadores ruralistas, empresários, parentes de políticos e evangélicos também aprovou continuidade do impeachment

Denúncias rimadas: ouça o rap dos Megaeventos

20 de janeiro de 2012 | por

Como a população está vendo a Copa de 2014? Para saber, ouça o rap "Megaeventos" criado por vários coletivos de hip hop do Rio de Janeiro

Governo mexicano participou do ataque contra estudantes de Ayotzinapa

15 de janeiro de 2015 | por

Baseada em documentos e depoimentos, investigação jornalística desmente versão oficial sobre o massacre no México e compromete o Exército e a Polícia Federal nas ações que levaram à morte de três estudantes e ao desaparecimento de 43 jovens