AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Bolsistas das Residências Públicas atravessam a linha de chegada

Jornalistas produzem 27 matérias sobre direitos humanos e Olimpíada

“Ninguém no Quênia conseguiu acreditar que uma pessoa que passou a vida toda escrevendo sobre esporte ganha uma bolsa para ir até o Brasil na Olimpíada e não vai cobrir nenhuma partida”, diz Roy Gachuhi, jornalista esportivo queniano. Sentado no escritório do salão principal da Casa Publica, Gachuhi está à vontade. Ele foi o jornalista que mais vibrou quando soube que participaria do programa de Residências da Agência Pública que começou em meados de julho e terminou com o fim da Olimpíada – pelo telefone, gritava “eu vou para o Brasil”!

O programa distribuiu bolsas para 6 jornalistas estrangeiros ficarem no centro cultural da Agência Pública cobrindo violações de direitos humanos ligadas ao megaevento.

Durante sua estádia na Casa Pública, o jornalista Queniano Roy Gachuhi passa a torcer para o Botafogo

Durante sua estádia na Casa Pública, o jornalista Queniano Roy Gachuhi passou a torcer para o Botafogo

Desde os 16 anos, quando conheceu Pelé em uma visita que o craque fez ao Quênia, Gachuhi sonhava em vir ao Brasil. O repórter premiado, que trabalha atualmente para a publicação Content House em Nairobi, se tornou um dos maiores jornalistas esportivos do Quênia. Ex-editor de jornais nacionais como Nation Media Group e The Standard Group, ele também chegou a fundar em 2010 a Escola de Jornalismo da África do Leste.

Agora com 57 anos de idade, a bolsa da Pública finalmente trouxe o jornalista esportivo para o país do futebol.

“Eu passei minha vida escrevendo matérias que tinham um enfoque no lado corporativo do esporte. Graças a essa bolsa, eu pude ver o outro lado dessa história. E dar luz a isso virou minha obsessão” explica.

[relacionados]

Durante o mês que passou na Casa Pública, Gachuhi escreveu para as publicações Content House, Daily Nation e The East African 13 matérias sobre os mais variados temas, desde as remoções forçadas até problemas envolvidos na reforma do Maracanã.

Gachuhi não foi o único a abraçar o desafio. No total foram 27 histórias produzidas pelos participantes.

Em “La Massacre de Costa Barros”, Jorge Rojas e Alejandro Olivares, do semanário The Clinic, investigaram casos de violência policial na cidade Olímpica. Eles relatam a história de cinco jovens assassinados por quatro policiais militares um ano antes da Olimpíada. Os PMs dispararam 111 tiros no automóvel em que se encontravam as vítimas.

A dupla de jornalistas chilenos escreveu também sobre remoções na Vila Autódromo e os protestos que aconteceram antes da cerimônia de abertura dos jogos.

Houve também um intercâmbio de ideias e matérias entre os próprios bolsistas do programa. Rojas e Olivares convocaram a equatoriana Desiree Yépez, outra participante das residências, para escrever um perfil sobre Luana Muniz, uma Travesti conhecida como a Rainha da Lapa para o jornal chileno The Clinic.

A jornalista equatoriana escreveu seis matérias durante o programa de Residências da Pública

A jornalista equatoriana escreveu seis matérias durante o programa de residências da Pública

Entre as mais diversas pautas sugerida nas 177 inscrições recebidas para o programa de residências, Desiree Yepéz foi a única que propôs escrever sobre a comunidade LGBT carioca. Para a sua matéria “Transexuales en Brasil o el derecho a existir”, ela explorou como o Comitê Olimpíco Internacional (COI) deu visibilidade para a população transexual durante os jogos – e como, ao mesmo tempo, seus direitos continuam sendo violados. A reportagem foi publicada no site Plan V, um portal novo de notícias equatoriano pautado pela independência em relação ao governo e grupos tradicionais de mídia.

“A matéria foi muito bem recebida no Plan V por conta da diversidade de temas que sobressaíram em paralelo a investigação principal como violência policial, direitos humanos e a crise policia no Brasil. Estes tópicos geraram um debate nas redes entre os leitores e foram até abordados em outros espaços digitais como na Rádio Rayuela”, diz.

A italiana Caterina Clerici e a francesa Diane Jeantet também se prontificaram para conhecer a população esquecida pelos jogos. Em matérias produzidas para o jornal italiano La Stampa e a revista americana Time Magazine, a dupla conta como empreendimentos milionários no Porto Maravilha afetaram a vida dos residentes da área, muitos dos quais moram dentro de cortiços em condições precárias. Veja como ficou o vídeo publicado no site da revista TIME:

Como jornalistas estrangeiros observando uma nova realidade, os participantes do Programa de Residências disseram ter se surpreendido com o que encontraram.

Durante a sua investigação sobre as obras da Olimpíada que levaram a expulsão de mais de 2,500 famílias de suas casas, Roy Gachuhi esperava que as pessoas se posicionassem contra o esporte. “Se tornou claro para mim que as famílias que foram vitimas de remoções não odeiam os Jogos. Eles não condenaram o atletismo, e sim, o fato do governo e das empreiteiras terem se aproveitado disso para desestruturarem as suas vidas”, conta.

Despedindo-se da Casa Publica o jornalista africano leva consigo uma lição ainda maior. “Todos os dias eu penso como eu posso criar um espaço em Nairobi igual a Casa Pública, onde um escritor, um documentarista possa receber o estimulo criativo que precisa para realizar seu trabalho”, diz.

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

Supremas relações 4

| por | 18 de setembro de 2017

Processo trabalhista revela acesso à cúpula do Judiciário em troca de patrocínio de eventos de site jurídico. Gilmar Mendes tem conversa exposta em que trata sobre projetos de seu IDP

Destrinchando a maconha paraguaia 10

| por | 21 de agosto de 2017

Nosso repórter passou 15 dias em uma plantação ilegal de maconha no Paraguai; miséria e corrupção marcam o cotidiano de um “Estado paralelo”, longe das agências policiais e facções criminosas

Onde está o busto de Lamarca?

Onde está o busto de Lamarca? 15

| por | 4 de setembro de 2017

O ato final do ex-secretário de Meio Ambiente paulista foi sumir com uma estátua do guerrilheiro no Vale do Ribeira, esbravejando contra “herói ideológico”. Reavivou uma memória incômoda, que inclui bombardeios de napalm pela ditadura