Agência de Jornalismo Investigativo

Político não teve mais de 45% dos votos no 1º turno em duas eleições e perdeu várias disputas em São Paulo – quando ultrapassou esse porcentual, ganhou no 2º turno

10 de outubro de 2018
Wilson Dias/Agência Brasil
Paulo Maluf, na época em que era deputado federal: político teve o mandato cassado em agosto
Paulo Maluf, na época em que era deputado federal: político teve o mandato cassado em agosto

“Você sabe que o Maluf aqui em São Paulo quase ganhou duas eleições com mais de 45% dos votos no 1º turno, depois perdeu no 2º [turno].” – Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo PT, em entrevista à rádio Guaíba.

FalsoEm entrevista à rádio Guaíba, em 9 de outubro, o candidato Fernando Haddad (PT) comparou o desempenho de Paulo Maluf em duas eleições com o resultado do 1º turno da atual disputa à Presidência. Jair Bolsonaro (PSL) ficou com 46,03% dos votos válidos, enquanto o petista teve 29,28%. Segundo Haddad, Maluf teve mais de 45% dos votos no 1º turno em duas eleições em São Paulo, mas perdeu na segunda etapa dessas disputas. A assessoria de imprensa do candidato não indicou as fontes. O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – classificou a frase como falsa.

Desde a redemocratização, Maluf disputou o segundo turno quatro vezes para cargos do Executivo no município e no estado de São Paulo. De acordo com o repositório de dados eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na eleição para governador de 1990, Paulo Maluf (então no PDS) teve 5.872.473 dos votos (43,50%), enquanto Luiz Antônio Fleury Filho (PMDB) conseguiu 3.803.159 (28,17%). A porcentagem é inferior à citada por Haddad. No 2º turno, o peemedebista venceu a eleição com 7.368.730 votos (51,77%) contra 6.865.157 (48,23%).

Em 1992, na eleição para a prefeitura da capital paulista, Maluf conseguiu 48,85% dos votos (2.036.776). Eduardo Suplicy (PT) ficou em segundo lugar, com 30,69% dos votos (1.279.231). Contudo, diferentemente da afirmação de Haddad, ele conseguiu ser eleito com 58,08% dos votos válidos (2.805.201) contra 41,92% do seu adversário (2.024.957).

Nas eleições de 1998 para o governo do estado, Maluf – então filiado ao PPB – obteve 32,21% dos votos válidos (5.351.026), enquanto Mário Covas (PSDB) ficou com 22,95% (3.813.186). Covas conseguiu a vitória no 2º turno, com 55,37% (9.800.253), contra 44,63% de Maluf (7.900.598).

A última vez em que o político conseguiu ir para o 2º turno foi nas eleições para prefeito de 2000. No 1º turno, Maluf obteve 17,39% (960.581) e Marta Suplicy (PT) conseguiu 38,12% dos votos válidos (2.105.013). A candidata petista elegeu-se com 3.247.900 (58,51%), enquanto Paulo Maluf teve 2.303.508 (41,49%).

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Deputado Jair Bolsonaro fala com a imprensa sobre ter virado réu no STF, pela sua declaração que "Não estupraria Maria do Rosário porque ela não merece"

Haddad não criou o ‘kit gay’

11 de outubro de 2018 | por

Jair Bolsonaro (PSL) acusa adversário de ter sido responsável pela idealização de material escolar contra homofobia, mas iniciativa surgiu do Legislativo

Mensagem falsa diz que Haddad autorizou livro infantil que trata de incesto

9 de outubro de 2018 | por

Obra foi avaliada pelo governo e distribuída em escolas públicas quando o candidato do PT não era mais ministro da Educação

O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT), em evento da Unecs: comparação sobre desigualdade e violência está correta

Países tão desiguais como o Brasil têm violência menor

5 de outubro de 2018 | por

Comparação de dois rankings com índice de homicídios por 100 mil habitantes mostra que afirmação de Fernando Haddad (PT) está correta

Truco!

Bolsonaro não rejeitou aliança com Helder Barbalho: seu partido está coligado com MDB no Pará

16 de outubro de 2018

É falsa a imagem que reproduz suposta postagem do candidato Jair Bolsonaro declarando que jamais se aliaria “a uma família de corruptos”, em referência à família Barbalho. A coligação liderada por Helder Barbalho (MDB) recebe apoio do PSL, partido de Bolsonaro.

Lei para concessão de estradas não foi aprovada no primeiro ano de mandato de Sartori

16 de outubro de 2018

Segundo o candidato do PSDB, atual governador teria permissão legal para conceder estradas estaduais à iniciativa privada desde o primeiro ano de governo. No entanto, lei só entrou em vigor em 2016, no segundo ano de gestão

Márcio França subestima número de presos de SP em 1998

15 de outubro de 2018

Ao falar sobre aumento da população carcerária em 20 anos, governador desconsiderou pessoas que estavam detidas em carceragens

Explore também

Mensagem afirma que embalagens plásticas podem liberar compostos tóxicos

Corrente falsa associa uso do plástico a 52 tipos de câncer

10 de outubro de 2017 | por

Texto compartilhado nas redes sociais afirma que, ao entrar em contato com o calor, material produz substâncias que causam a doença; especialistas contestam afirmação

Ângela e os homicídios entre jovens. Zap!

20 de outubro de 2015 | por

“Os índices de mortes por armas de fogo são em média duas vezes maiores entre pessoas de 15 e 29 anos”, afirmou Ângela Portela (PT-RR), senadora, no plenário, na segunda-feira (19)

Exagerado, distorcido ou discutível

ECA e dosimetria de pena. Não é bem assim, Torgan!

21 de agosto de 2015 | por

“Há muitas coisas boas [no Estatuto da Criança e do Adolescente], eu confesso, e a elas sou favorável. Mas, na dosimetria de pena, ele é um desastre.” – Moroni Torgan (DEM-CE), deputado federal, no plenário, na quarta-feira (19)