Agência de Jornalismo Investigativo

Senador acerta taxa, mas erra ao dizer que o grupo é formado por 20 países – dados também não representam a realidade atual; veja a nossa checagem

22 de junho de 2016
15:27
Este texto foi publicado há mais de 6 anos.

“Os países representados [no G20], num total de 20, representam 80% do que se produz no mundo [na agricultura] no dia de hoje.” – Cidinho Santos (PR-MT), na sessão plenária do Senado em 14 de junho

Correto, mas falta contexto
Correto, mas falta contexto

Ao fazer recentemente um discurso sobre como foi a sua participação no encontro do G20 e sobre a produção agrícola desses países, o senador Cidinho Santos (PR-MT) afirmou que os integrantes do grupo representam 80% do que se produz hoje na agricultura mundial. O Truco no Congresso – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em parceria com o Congresso em Foco – verificou a informação e descobriu que os dados estão corretos.

Santos cometeu, contudo, um deslize ao dizer que o G20 é formado por 20 países. Ao contrário do que o nome leva a crer, estão representados no grupo 15 diferentes nações de diversas partes do mundo, desenvolvidas ou em desenvolvimento, mais a totalidade da União Europeia, que conta com 28 integrantes. Logo, o número correto são 43 países.

As nações do G20 respondem, de acordo com os últimos dados disponíveis, por índices bem próximos dos mencionados pelo senador. Consideradas todas as colheitas – como cana, milho, soja, cevada, feijão, mandioca, etc –, esse grupo contribuiu com cerca de 72% do que foi produzido no mundo em 2014. Em 2013, entre os produtos de origem animal – carne, ovos, couro e leite, por exemplo –,75,47% foram produzidos pelo G20.

Os dados foram obtidos no Faostat, portal de dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), e são relativos a 2014 (agricultura) e 2013 (pecuária), últimos anos disponíveis. Também há informações do Banco Mundial e do governo norte-americano sobre o tema. As da FAO, no entanto, são mais adequadas para checar a veracidade da frase do senador, porque somente nelas é possível analisar individualmente os dados de cada país e, a partir daí, chegar ao índice do G20.

Apesar de mais abrangentes, mesmo os dados da FAO podem incluir imprecisões pontuais. Embora coincidam com os números oficiais da produção de soja no Brasil em 2014, de 86 milhões de toneladas, diferem, por exemplo, daqueles da cana de açúcar –737 milhões de toneladas para a FAO, contra 658 milhões na contabilidade da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Outra falha no discurso do senador está na atualidade dos dados, uma vez que não é possível saber “o que se produz no mundo no dia de hoje”. A coleta das informações ocorre anualmente, e as mais atuais divulgadas são de 2014. Embora algumas instituições calculem a produção mais atual de alguns gêneros, como faz o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, eles se restringem aos principais países produtores das principais culturas, deixando de fora itens importantes como feijão, batata e mandioca.

Questionada sobre qual fonte da informação utilizada pelo senador, a assessoria de Cidinho Santos (PR-MT) inicialmente indicou o discurso proferido por Blairo Maggi na reunião de ministros de agricultura do G20, na China, da qual o senador também participou, no início de junho.

O senador Cidinho Santos (PR-MT), acertou ao falar sobre a produção agrícola do G20
O senador Cidinho Santos (PR-MT), acertou ao falar sobre a produção agrícola do G20. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Acontece que o ministro brasileiro não falou em produção agrícola, mas em outros dados para exaltar a força econômica dos países ali representados. “Para que se tenha uma ideia da representatividade do grupo que conseguimos formar, os países do G20 reúnem dois terços da população do planeta, 80% do comércio internacional e 85% da economia mundial”, disse Maggi.

A assessoria de Santos foi novamente questionada sobre a incompatibilidade entre a frase do senador e a fonte indicada, e encaminhou informações que havia recebido do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A pasta confirmou à equipe de Santos que os países do G20 representam 80% do comércio mundial agrícola. Mas a fonte indicada pelo ministério sobre o comércio mundial agrícola foi outro discurso, o do Comissário Europeu para a Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan, no mesmo encontro do G20: “The nations of the G20 represent 65% of all agricultural land, 77% of global cereal production and 80% of world trade in agricultural products. Our influence on global agriculture is significant, as is our responsibility”. [“As nações do G20 representam 65% de toda a terra agricultável, 77% da produção global de cereais e 80% do comércio mundial de produtos agrícolas. Nossa influência na agricultura mundial é significativa, bem como a nossa responsabilidade.”]

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Seguranças da BBF

BBF faz “cruzada judicial” contra autoridades que investigam conflitos em dendezais no PA

30 de janeiro de 2023 | por

Promotores, procuradores e policiais que trabalham com comunidades tradicionais são assediados processualmente
Indígenas yanomamis sentados ao lado de placa da Funai que atesta o território como terra protegida pelo governo federal

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI
Governador Mauro Mendes

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador