Agência de Jornalismo Investigativo

De acordo com mensagem que viralizou no aplicativo, governo prepara decreto que "atinge diretamente a classe média"

23 de fevereiro de 2017
12:15
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.
Corrente que circula no WhatsApp fala que alíquota do IR vai mudar. Reprodução

“IMPOSTO DE RENDA – Decreto que aumenta de 27,5% para 35% a alíquota do Imposto de Renda.
– Este reajuste atinge diretamente a classe média.
– Sem querer cortar gastos, o governo com sua exuberante incompetência, quer como sempre, repassar para a população.
– Assim é moleza, roubam, administram mal, e nos dão a conta para pagar. Passe adiante…
– Se cada pessoa passar para 10 amigos de setores diferentes, no 6° repasse atingiremos milhões de brasileiros.
– Vamos tirar 5 minutos para mudar o Brasil e defender nossas famílias e nosso suado dinheiro. Eu fiz minha parte! Faça a sua!” – Mensagem divulgada no WhatsApp

FalsoHá algumas semanas viralizou no aplicativo WhatsApp um alerta sobre uma mudança no Imposto de Renda “que atinge diretamente a classe média”. A mensagem afirma que estaria em criação um decreto com o objetivo de aumentar a alíquota máxima do IR de 27,5% para 35%. O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – analisou a veracidade das informações divulgadas pela corrente.

Como o texto não indica quem seria o autor nem dá quaisquer pistas sobre a pessoa responsável por escrevê-lo, não foi possível solicitar a fonte primária do dado. Procurada, a Receita Federal informou que “desconhece as informações” divulgadas na corrente. O órgão reitera ainda que a informação de que uma nova alíquota está sendo criada “é falsa” e lembra que “qualquer mudança na tributação só pode ocorrer mediante alterações na legislação atual.”

O segundo passo foi procurar notícias de fontes confiáveis que pudessem dar uma pista sobre a origem desse boato. Em 2015, ainda durante o governo Dilma Rousseff, o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse à imprensa que a pasta estudava soluções para aumentar a arrecadação e que uma das possibilidade seria aumentar a tributação sobre os salários mais altos. À Folha de S.Paulo, assessores do ministro afirmaram, em setembro de 2015, que o governo estudava criar uma nova faixa do IR. Essa nova faixa de tributação ficaria acima da atual alíquota mais elevada, de 27,5% para salários acima de R$ 4.664,68 por mês, e seria algo entre 30% e 35%.

A proposta nunca chegou a ser oficializada pelo governo e também foi mencionada por outros veículos na época, como Bloomberg e G1. A reportagem não encontrou registros mais recentes de que esta nova tributação estaria ainda em estudo ou outras informações atuais sobre decretos de alteração das alíquotas do IR.

Ainda que a proposta de Levy estivesse sendo retomada, a nova alíquota de tributação dificilmente atingiria “diretamente a classe média”, como diz a mensagem anônima que circula no WhatsApp. A mudança que foi estudada em 2015 e então abandonada não previa alterações na última faixa de IR, mas a criação de uma quinta faixa para salários superiores aos que se encaixam nos atuais 27,5% da quarta faixa de tributação.

Base de cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF (R$)
Até 1.903,98
De 1.903,99 até 2.826,65 7,5 142,80
De 2.826,66 até 3.751,05 15 354,80
De 3.751,06 até 4.664,68 22,5 636,13
Acima de 4.664,68 27,5 869,36
Fonte: Receita Federal (https://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica)

 

O Truco classifica esta corrente de WhatsApp como falsa, já que a análise dos dados apresentados e de outras fontes mostra que a afirmação está incorreta.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Correntes no WhatsApp afirmam que podem chegar a milhões em pouco tempo

Uma corrente de WhatsApp pode atingir todos os brasileiros?

6 de março de 2017 | por

Checamos como funcionaria o compartilhamento de mensagens pelo aplicativo se todo mundo repassasse o texto para pelo menos seis contatos

Sonegômetro instalado na área central de Brasília aponta a evasão de impostos no país desde o início do ano

Corrente no WhatsApp usa dados errados para criticar impostos

12 de julho de 2017 | por

Texto compartilhado em redes sociais baseia-se em números falsos ao defender que o Brasil tem a maior carga tributária do mundo

Gilberto Carvalho: Sem dialogar com as massas, o risco é “repetir 2013 e 2016”

21 de novembro de 2022 | por

Brasil que sai das eleições "não tem boa cara”, diz ex-ministro de Lula

Mais recentes

Governo de MG avaliza exploração na Serra do Curral após negativa da AGU

29 de novembro de 2022 | por

Mineradoras Gute Sicht e Fleurs Global são investigadas pela PF e atuam sem licenciamento ambiental

COP27 entrega fundo de perdas e danos mas tem trégua com combustíveis fósseis

22 de novembro de 2022 | por

Analisamos os resultados da conferência que, apesar de decisão histórica, não foi capaz de aumentar ambição climática

Na COP27, Lula inicia retorno do Brasil à agenda global de combate às mudanças climáticas

19 de novembro de 2022 | por

Com perspectiva de nova postura para o Brasil, passagem do presidente eleito se tornou um dos grandes destaques da COP