Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Campanha de Haddad tira conclusão falsa sobre pesquisa

Postagem no Instagram diz que candidato vence Bolsonaro no 2º turno, mas os dois aparecem tecnicamente empatados no Ibope de 3 de outubro

Checagem
4 de outubro de 2018
19:51
Este artigo tem mais de 5 ano
Fernando Haddad (PT) em evento da Unecs, em agosto: levantamento do Ibope mostrou empate técnico com Bolsonaro
Fernando Haddad (PT) em evento da Unecs, em agosto: levantamento do Ibope mostrou empate técnico com Bolsonaro

“43%. Haddad sobe e vence Bolsonaro no 2º turno.” – Post na conta de Instagram de Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo PT.

Falso

Um dia depois da divulgação, em 3 de outubro, da pesquisa Ibope para presidente, o perfil do candidato Fernando Haddad (PT) no Instagram publicou uma imagem dizendo que o candidato petista vence Jair Bolsonaro (PSL) no 2º turno. A imagem credita o dado ao levantamento do Ibope publicado sob o código TSE BR-08245/2018. O Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – verificou a postagem, que teve mais de 23.700 curtidas até as 17 horas de 4 de outubro, e concluiu que a afirmação é falsa. A pesquisa Ibope registrada sob o código indicado não mostra que Haddad vence Bolsonaro no 2º turno, mas que eles estão tecnicamente empatados.

Em entrevista ao Truco nos Estados, projeto da Pública que faz a checagem de sete disputas para governador, a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari, disse que não é possível apontar líderes quando as pesquisas mostram um cenário de empate técnico. “A palavra ‘lidera’ não é adequada para uma situação de empate técnico”, afirmou.

Post da campanha no Instagram

A última pesquisa do Ibope, que pode ser consultada no site do instituto, e é citada na postagem como fonte da informação, tem margem de erro estimada de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. Na simulação de 2º turno entre Fernando Haddad e Jair Bolsonaro, o petista tem 43% das intenções de voto contra 41% de Bolsonaro. Pela margem de erro, Haddad tem entre 41% e 45%, enquanto Bolsonaro tem entre 39% e 43% das intenções. Os dois candidatos estão, portanto, tecnicamente empatados. Foram entrevistados 3.010 votantes. O nível de confiança utilizado é de 95%, ou seja, há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade.

No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é possível consultar todos os registros feitos pelo Ibope para a disputa presidencial de 2018. Desde agosto o instituto fez sete simulações entre Bolsonaro e Haddad. Em apenas uma das simulações é possível afirmar que Fernando Haddad venceria Jair Bolsonaro no 2º turno. Trata-se da pesquisa do dia 24 de setembro, quando Haddad tinha 43% e Bolsonaro marcava 37% das intenções de voto. Nos outros seis cenários, Haddad e Bolsonaro aparecem empatados dentro da margem de erro em cinco simulações. Bolsonaro venceria Haddad apenas no levantamento de 11 de setembro, com 40% das intenções de voto contra 36% de Haddad.

A postagem também está incorreta ao afirmar que Haddad subiu, já que o candidato apenas oscilou positivamente dentro da margem de erro desde a última pesquisa realizada. Nas últimas quatro consultas feitas pelo Ibope, Haddad não registrou nenhuma queda ou crescimento. O candidato teve apenas oscilações de 1 ponto porcentual para mais ou para menos. Essas oscilações, por serem menores do que os 2 pontos porcentuais da margem de erro da pesquisa, não sinalizam queda ou crescimento.

Divulgação/Portal Abras

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Economistas ligados aos candidatos à Presidência: Paulo Guedes, Guilherme Mello, Mauro Benevides, Pérsio Arida e Eduardo Giannetti (da esq. para a dir.)

Checamos os economistas dos 5 principais candidatos

Por , ,

Veja o que é verdadeiro, discutível, exagerado, falso ou impossível de provar em 10 frases de Paulo Guedes, Guilherme Mello, Mauro Benevides, Pérsio Arida e Eduardo Giannetti

O candidato João Amoêdo (NOVO), em entrevista à EBC: post no Facebook fez comparação errada sobre salários de parlamentares

Políticos do Brasil não são os mais caros do mundo

Por

Amoêdo usa dado falso; custo do salário dos parlamentares em relação à renda média é maior na Colômbia e na República Dominicana

Notas mais recentes

Castração química: o caminho do projeto de lei aprovado sem debate na CCJ do Senado


Na ONU, mulheres indígenas do Amapá pedem fim da exploração de petróleo na Amazônia


Familiares de mortos e desaparecidos vão denunciar Estado brasileiro à corte da OEA


Pressão: Indústria tabagista marca presença em audiência no Senado para liberar vapes


Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


Leia também

Checamos os economistas dos 5 principais candidatos


Políticos do Brasil não são os mais caros do mundo


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes