Agência de Jornalismo Investigativo

Indígenas do norte de Minas Gerais não podem mais pescar ou caçar na região do Rio Doce. Ouça nossa reportagem

25 de Abril de 2017

Para os índios Krenak que vivem às margens do rio Doce, a lama proveniente da mina da Samarco trouxe o fim da pesca e da caça e o ocaso de um estilo de vida. A empresa não responde se há salvação para aquelas águas.

O material em áudio foi produzido pela Agência Pública e publicado em parceria exclusiva com a rádio CBN no último sábado, dia 22/4 e reprisado no domingo, 23/4.

Leia também: Watu Morreu 

Imagem em destaque na home: Agência Brasil 

Comentários

Mais recentes

Uma ativista perseguida no governo Macri

18 de Janeiro de 2018 | por

Líder da Tupac Amaru, importante organização social da Argentina, Milagro Sala está presa em condições ilegais por crimes que não cometeu segundo organizações internacionais de direitos humanos

“Licitação de Dória traz muitos pontos duvidosos”, diz especialista em transporte

17 de Janeiro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, o geógrafo Oliver França Scarcelli examina criticamente o novo edital para a concessão do serviço de ônibus em São Paulo

Sorteio do Supremo é caixa preta

16 de Janeiro de 2018 | por

STF não detalha procedimentos que definem o sorteio de processos entre ministros; levantamento de dados da última década revela equilíbrio, mas não há como descartar possíveis manipulações

Explore também

CIA treina assassinos para agirem no mundo subterrâneo da guerra às drogas

9 de setembro de 2011 | por

Segundo uma fonte da CIA ouvida pelo repórter do Narconews, esses grupos de extermínio estão agindo contra facções de narcotraficantes no México

Trabalhadora próxima à líder escoltada é assassinada em Rondônia

5 de Abril de 2012 | por

Dinhana Nink deu entrevista sobre a quadrilha dois meses antes de sua morte. Ameaçadas, outras famílias da comunidade tiveram que fugir

Que bonde é esse?

21 de Janeiro de 2013 | por

Moradores de Santa Teresa denunciam alterações indevidas no tradicional bonde – tombado pelo Iphan – que está sendo adaptado a peso de ouro por empresa envolvida em acidentes, segundo advogado da associação do bairro