Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Julia Dolce

Repórter e fotojornalista da Agência Pública, formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Também cursou graduação em fotografia pelo Senac. Passou pelas redações do observatório do agronegócio De Olho nos Ruralistas e do jornal Brasil de Fato, onde trabalhou por três anos, cobrindo política e direitos humanos. Em 2017, trabalhou por um mês na Palestina para o site de notícias Alternative Information Center, em Beit Sahour (Cisjordânia), onde produziu uma série de reportagens sobre a ocupação israelense. Sua reportagem Famélicos: A fome que o Judiciário não vê recebeu menção honrosa no 36º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo e compõe o Especial Fome, indicado pelo Prêmio Gabriel García Márquez como uma das 10 melhores coberturas da América Latina em 2019. Também foi finalista do prêmio Anamatra de Direitos Humanos de 2018, pela reportagem “Dispensa maternidade, histórias de mães demitidas após a gravidez”.


Mais recentes

Fazenda de ex-governador de Rondônia está sobre um sítio arqueológico indígena

10 de março de 2020 | por

Território reivindicado por indígenas e quilombolas foi comprado pela família Cassol dos Camargo Corrêa em 2005; Incra afirma que contratos de compra e venda podem ser cancelados

“Queremos disputar nossa própria agenda na política”, afirma ativista indígena equatoriana

6 de março de 2020 | por

Vereadora feminista, Paolina Vercoutere lembra participação de mulheres indígenas nos protestos que pararam o Equador em 2019 e aponta novos desafios para o 8 de Março

Para educadora brasileira, este 8M visibiliza resistência de mulheres quilombolas, indígenas e campesinas

6 de março de 2020 | por

Após eleição de Bolsonaro, Luciana Silveira, integrante do Movimento Negro Unificado, denuncia ataques aos povos tradicionais e diz que as mulheres são as mais afetadas

“Levante do povo chileno é sustentado pela luta das mulheres indígenas”, diz liderança Mapuche

6 de março de 2020 | por

Em meio à rebelião popular que já dura quase 5 meses, Gabriela Curinao fala da grande marcha planejada para o 8M com bandeiras específicas como o direito ao aborto seguro e o fim da violência de gênero

“Será um monte de brancos olhando para nós de cima de prédio”, protesta liderança Guarani do Jaraguá

7 de fevereiro de 2020 | por e

Derrubada de 500 árvores pela Construtora Tenda levou a ocupação da área por indígenas que fazem fronteira com a futura obra; liminar de juíza pode levar a despejo a qualquer momento

Centenas de famílias podem ser despejadas em mais de 50 acampamentos na Amazônia em 2020

29 de janeiro de 2020 | por e

Em Rondônia visitamos os acampados do Boa Sorte, que vivem conflito que envolve assassinato, milícia rural e documento suspeito do Incra

Como a corrupção no Incra levou à expulsão de um pequeno agricultor de sua terra

13 de janeiro de 2020 | por

Violência e avanço da soja são os ingredientes de um projeto de reforma agrária que nunca saiu do papel em Rondônia

“Estou vivo por força de um milagre”, diz ambientalista Elizeu Berçacola Alves

25 de novembro de 2019 | por e

Sobrevivente de uma série de emboscadas em Rondônia conta detalhes do combate ao esquema de desmatamento ilegal que o levou ao programa de proteção federal

O “maior desmatador do Brasil” possui 120 madeireiras na região Norte

22 de novembro de 2019 | por e

Preso pela Polícia Federal na Operação Deforest, Chaules Volban Pozzebon coleciona acusações de crimes ambientais num dos estados mais desmatados do país

A batalha pelo ouro roxo

8 de outubro de 2019 | por

Conflito entre quilombolas e fazendeiro teve tentativa de homicídio e uso de milícia; MPF cita "risco de morte" se decisão judicial em área rica em açaí não for cumprida

Paulo Barreto: “Bolsonaro brigar com os dados não vai enganar o resto do mundo”

11 de setembro de 2019 | por

Pesquisador do Imazon avalia que “são paliativas” ações do governo contra queimadas; entre 2012 e 2018, a taxa de desmatamento na região aumentou 71%

La uberización del trabajo afecta más a las mujeres

7 de setembro de 2019 | por

Cuatro millones de personas trabajan para empresas de aplicaciones de servicios en Brasil, sin vínculos contractuales formales. Repartidoras, conductoras, manicuristas y jornaleras explican cómo la informalidad de las aplicaciones genera precariedad laboral