Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Meirelles erra ao dizer que estados não contratam policiais há mais de 10 anos

Dados do Ministério da Segurança Pública mostram que todas as unidades da Federação tiveram aumento no efetivo policial entre 2011 e 2016

Checagem
25 de setembro de 2018
15:14
Este artigo tem mais de 5 ano
Policiais militares do Distrito Federal: todas as unidades da Federação tiveram aumento de efetivo nos últimos 10 anos
Policiais militares do Distrito Federal: todas as unidades da Federação tiveram aumento de efetivo nos últimos 10 anos

“Existem estados brasileiros que estão há mais de 10 anos sem contratar um policial.” – Henrique Meirelles (MDB), em entrevista à EBC.

Falso

A segurança pública é um dos principais temas da campanha presidencial de 2018. O Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – analisou frases relacionadas ao tema dos cinco presidenciáveis com maior intenção de voto. Em entrevista à EBC no dia 27 de agosto, o candidato Henrique Meirelles (MDB) também falou sobre o tema, ao ser questionado a respeito da intervenção federal no Rio de Janeiro. Ele disse considerar a medida fundamental frente à situação de insegurança no estado. Afirmou ainda que as tropas nacionais são importantes para suprir as deficiências das polícias militares estaduais. Segundo o político, alguns estados brasileiros estão há mais de 10 anos sem contratar um policial. A afirmação, contudo, é falsa.

A assessoria de imprensa do candidato enviou como fontes duas reportagens. A primeira, de março deste ano, é da Folha de Boa Vista e diz que, após 15 anos, a Polícia Civil de Roraima voltará a ter concurso. A segunda é do portal G1, de setembro de 2017, e confirma a realização de novo concurso para policiais militares no Rio Grande do Norte. No texto, o subtenente Eliabe Marques diz que um concurso foi realizado em 2005, e que 824 suplentes estavam disponíveis para convocação.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de Roraima confirmou que a Polícia Civil do estado não contrata policiais desde 2004, quando foram convocados os concursados de 2003. Mas um novo concurso está com inscrições abertas para a Polícia Civil, e a Polícia Militar do estado teve convocações em 2016. Dessa forma, foram incorporados policiais ao efetivo de Roraima nos últimos 10 anos.

Já no Rio Grande do Norte, de acordo com o tenente coronel Eduardo Franco, assessor da Polícia Militar do estado, a última convocação para policiais foi realizado em 2009, há 9 anos, contratando concursados de 2005. Este ano foi realizado novo concurso com 1.000 vagas disponíveis que devem ser incorporadas ao efetivo até fevereiro de 2019.

Além disso, a reportagem consultou os dados da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), segundo os quais todas as 27 unidades da federação tiveram algum aumento em seus efetivos de Polícia Civil e Militar entre 2011 e 2016. A Polícia Militar do Rio de Janeiro, por exemplo, teve aumento da tropa de 43.547 para 45.789 policiais no período, com oscilações.

As polícias citadas como exemplo pelo candidato tiveram redução do total de efetivos de 2011 para 2016, mas em alguns anos tiveram aumento. A PM do Rio Grande do Norte registrou um aumento na tropa de 2014 para 2015 – de 8.303 para 8.574 policiais. Já a Polícia Civil de Roraima teve um pequeno aumento policiais no seu efetivo em dois momentos: de 2012 para 2013, passando de 2.357 para 2.427 policiais; e de 2015 para 2016, subindo de de 2.070 para 2.081. Assim, todas tiveram contratações ou convocações.

André Gustavo Stumpf/ Flickr

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Boulos, em entrevista para a EBC: dado em plano de governo é impossível de provar

Boulos usa dado inexistente ao criticar desmatamento para agronegócio

Por

Em plano de governo, candidato diz que setor foi responsável por ampliar a devastação na Amazônia em 27% em um ano; não há estudos que comprovem

Haddad em ato realizado em São Paulo em janeiro: dinheiro para educação cresceu menos do que o anunciado pelo político na sua gestão

Haddad exagera crescimento de verbas do Ministério da Educação

Por

Candidato do PT diz que quintuplicou o Orçamento da pasta na sua gestão, mas aumento foi de três vezes

Notas mais recentes

MPF apura denúncia de que bancos de sangue privados jogam doações de plasma em lixões


O que está em jogo na volta dos trabalhos no Congresso


Emissão de licenças ambientais cai 65% com protesto do Ibama por melhoria da carreira


Ataques com uso da Justiça crescem enquanto agressões a jornalistas caem no pós-Bolsonaro


Fiocruz condena lobby dos vapes pela indústria do tabaco, revelado pela Pública


Leia também

Boulos usa dado inexistente ao criticar desmatamento para agronegócio


Haddad exagera crescimento de verbas do Ministério da Educação


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes