Buscar

Nossa equipe vai se dedicar a reportagens aprofundadas sobre os diálogos vazados

Da Redação
2 de setembro de 2019
15:40
Este artigo tem mais de 4 ano
Especial Vaza Jato

Nesta segunda-feira a Agência Pública se une ao esforço de cobertura realizado por sete veículos de imprensa para analisar mensagens privadas trocadas entre procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato e outros membros do Ministério Público Federal (MPF) e da Justiça, como o atual ministro Sérgio Moro.

A Pública se une ao The Intercept Brasil – site que recebeu o material de forma anônima e lidera este notável esforço colaborativo – ao jornal Folha de S. Paulo, ao site Buzzfeed, à revista Veja, ao portal Uol, ao site El País e ao Blog do Reinaldo Azevedo. A essas equipes vamos somar nossa expertise em jornalismo investigativo e análise de documentos, de bases massivas de dados e outros vazamentos como aqueles publicados pelo WikiLeaks – nos projetos como Cablegate e Spy Files – e o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) – como as parcerias sobre os Panama Papers e os Implant Files.

Assim como nas demais coberturas, no caso da Vaza Jato é inegável o interesse público do material analisado. Os diálogos trocados por grupos de membros do MPF desnudam a maior investigação sobre corrupção que já ocorreu no país e trazem à tona diversos questionamentos sobre os métodos, relações, interesses e ações de seus principais atores. Ajudar tamanho esforço de cobertura – também sem precedentes – a iluminar esse episódio fundamental da história recente do país é mais que um simples trabalho para o bom jornalista, é uma obrigação.

Nos próximos meses, os leitores da Pública podem esperar uma cobertura com a nossa cara: aprofundada, com detalhes e contexto como uma equipe que se dedica cotidianamente à cobertura investigativa pode fazer.

A primeira reportagem, de autoria da repórter Alice Maciel, já mostra a que viemos. Nela, revelamos que o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, captou investimentos de grandes empresários para financiar um instituto que ajudou a promover a “marca” Lava Jato e as suas “10 medidas contra a corrupção”.

Entre eles, uma “investidora-anjo” ligada a Eike Batista e que depois apareceu nas investigações da Lava Jato.

Por fim, cabe reforçar que a Agência Pública não paga para conseguir informações sigilosas ou privadas. Tudo o que publicamos é baseado em extensa pesquisa e contraste de fontes. Nesses oito anos de grandes investigações, reconhecidas com mais de 40 prêmios nacionais e internacionais, nos dedicamos sempre ao que é a essência do fazer jornalístico: publicar o que os poderosos não querem.

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Leia também

Vaza Jato

Por

Equipe da Pública vai se dedicar a reportagens aprofundadas sobre os diálogos vazados

Notas mais recentes

Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


8/1: Bolsonaristas debatem dia do preso político e abrem espaço para suspeitos de crimes


Quilombolas marcham até o Congresso e cobram rapidez na titulação de terras


Médico antiaborto vai representar CFM em audiência sobre violência contra mulheres


Delegado que investigou ex-assessor de Arthur Lira vira alvo da PF


Leia também

Deltan captava recursos de empresários para Instituto Mude


Vaza Jato


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes