Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Andrea DiP

Andrea Dip é repórter especial e editora na Agência Pública de Jornalismo Investigativo. Trabalha com jornalismo em direitos humanos desde 2001. Recebeu sete prêmios de jornalismo em Direitos Humanos e foi finalista do Prêmio Gabriel García Márquez para o Novo Jornalismo Ibero-Americano em 2015, junto ao quadrinista Alexandre de Maio, com a primeira reportagem investigativa feita em quadrinhos no Brasil. Em maio de 2018 lançou seu primeiro livro reportagem “Em nome de Quem? A bancada evangélica e seu projeto de poder” que recentemente levou o 3o lugar no Prêmio da Biblioteca Nacional. Em junho lançou o documentário “Sob Constante Ameaça”, realizado em co-direção com o artista Guilherme Peters. É becária Cosecha Roja e Independent Journalism Program de Open Society Foundation 2018 na cobertura sobre juventude, desigualdade e pobreza, violência contra as mulheres, crimes de ódio e ataques contra a comunidade LGBTQ.


Deceit at a Brazilian ‘Crisis Pregnancy Center’

2 de fevereiro de 2018 | por

A Catholic psychologist in São Paolo tries to shame an undercover reporter into not having an abortion

Jornalistas mexicanos investigaram fundador do CAM

22 de janeiro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, Témoris Grecko, um dos autores do livro sobre Jorge Serrano, conta por que ele foi processado por corrupção no México, onde nasceu a rede de sites armadilha que constrange mulheres que querem abortar

Armadilha para mulheres

22 de janeiro de 2018 | por

Site oferece ajuda para mulheres grávidas que não desejam ter o filho sem esclarecer que o objetivo é impedi-las de abortar; domínio está registrado em nome de padre ligado ao Opus Dei e ao Centro de Ajuda à Mulher (CAM)

As cidades que mais matam mulheres no Brasil

2 de outubro de 2017 | por e

Levantamento inédito mostra as 10 cidades com mais mortes violentas de mulheres

“O poder público só nos vê quando a gente tomba”

2 de outubro de 2017 | por e

Nossa reportagem foi até Ananindeua para investigar por que essa é a cidade que mata mais mulheres no Brasil

Brazil: the poor must serve their sentence while the rich can stay at home

30 de agosto de 2017 | por

Poor women with young children are seldom allowed to serve house arrest, while wealthy defendants can stay at home with minimum restraints

Uma pena, duas medidas

17 de julho de 2017 | por

Enquanto as mulheres com filhos pequenos lutam para obter a prisão domiciliar, direito previsto por lei, presos da Lava Jato gozam desse benefício sem amparo da legislação penal

O advogado da PM que mata

15 de maio de 2017 | por

O ex-PM da Rota Celso Vendramini já defendeu mais de cem policiais acusados de homicídio e atuou em casos como o Carandiru e a Favela Naval, em São Paulo; “o policial não tem que esperar o marginal puxar a arma para atirar”, diz

"Fugi e fiquei viva, minha filha enfrentou e morreu"

3 de abril de 2017 | por

Em entrevista à Pública, Sônia narra a história de violência que marcou sua vida e a de sua filha, Eliza Samudio, vítima de feminicídio – um crime que mata uma mulher a cada 90 minutos no Brasil

O psicanalista das massas

24 de fevereiro de 2017 | por

A maior liderança dos movimentos sociais é um filósofo e psicanalista que vive na militância desde os 15 anos. Conheça Guilherme Boulos, 34 anos, e entenda por que o MTST dobrou de tamanho em quatro anos

“O pacto de silêncio continua, os estupros continuam”

8 de novembro de 2016 | por

Em entrevista à Pública, a médica Ivete Boulos fala de seu afastamento da coordenação do núcleo que acolhe denúncias e vítimas de violência sexual na Medicina da USP enquanto lutava por punição de aluno acusado de estupro

Ameaças, ofensas e sindicâncias

30 de agosto de 2016 | por

Quatro professoras perseguidas por palavras e atividades nas escolas dão seu depoimento à Pública