Agência de Jornalismo Investigativo

“Amazônia em Disputa” é um projeto especial da Agência Pública com o objetivo de investigar a atuação das agências governamentais em meio à disputa predatória por terra na maior floresta tropical do planeta.

Durante três meses, levantamos e cruzamos dados sobre o Incra, a Funai, o ICMBio e o Serviço Florestal Brasileiro buscando avaliar o controle do Estado sobre o território e a execução das políticas públicas de prevenção ao desmatamento e aos conflitos por terra.

Munidos desses dados, partimos para mais três meses de reportagens em campo nos estados do Pará e Mato Grosso – os mais desmatados da Amazônia – com o objetivo de apurar o resultado dessas políticas na vida dos que ali vivem.

Do destino dessas comunidades – extremamente vulneráveis – depende o futuro da floresta, como constatamos ao longo dessa investigação.

Aqui você tem acesso ao resultado completo desse trabalho por meio de vídeos, fotos, mapas, infográficos e reportagens.

Mais recentes

Efeito Colateral

5 de novembro de 2018

Investigamos o ‘efeito colateral’ do crescente emprego das Forças Armadas em operações de segurança pública: civis inocentes mortos, casos sem solução e famílias sem Justiça

Baía 360

14 de maio de 2018

Uma série de videorreportagens em Realidade Virtual

Coleção Particular

27 de novembro de 2017

Produto do quarto LAB realizado na Casa Pública, este especial transmidia investiga o roubo de espaços públicos por agentes privados - muitas vezes com a conivência de governos.

Explore também

Microbolsas de Reportagem – Judiciário

2 de fevereiro de 2016

Investigações realizadas através do Concurso de Microbolsas de Reportagens.

Efeito Colateral

5 de novembro de 2018

Investigamos o ‘efeito colateral’ do crescente emprego das Forças Armadas em operações de segurança pública: civis inocentes mortos, casos sem solução e famílias sem Justiça

BNDES na Amazônia

15 de outubro de 2013

Uma parceria entre Agência Pública e O Eco que mapeou o aumento dos investimentos do BNDES em projetos de infraestrutura na região. Obras financiadas pelo banco são acusadas de disfarçar impactos ao meio ambiente, populações indígenas e trabalhadores.