Agência de Jornalismo Investigativo

O Truco 2014 foi um projeto de checagem e cobertura eleitoral da Agência Pública.

O horário eleitoral gratuito na TV é uma das peças mais importantes da disputa pela presidência. Mas até que ponto o que os candidatos dizem na propaganda é verdadeiro? O contexto correto muda a informação? Ou o que diz o candidato é simplesmente falso?

No Truco! checamos os dados mais relevantes apresentados pelos presidenciáveis durante os programas exibidos na TV. E distribuímos a eles as “cartas” correspondentes, deixando claro ao leitor até que ponto o que os candidatos dizem na propaganda é verdadeiro, se o contexto correto muda a informação, ou se o que diz o candidato é simplesmente um blefe. Também “pedimos o Truco”, um desafio público às campanhas para que expliquem promessas ou dados importantes aparentemente insustentáveis. Podemos ainda discordar frontalmente dos candidatos quando acharmos suas propostas perigosas para a democracia e direitos humanos. Aí vamos carimbar um “Que medo” e fazer uma materinha explicando por quê.

Ao verificar esses dados, nosso objetivo é melhorar a qualidade do debate e estimular os eleitores a questionar o discurso dos presidenciáveis. Para isso, vamos convidar o público a participar, sugerindo informações que devem ser checadas e contribuindo com dados relevantes sobre cada tema. Também integra o projeto uma série de reportagens investigativas publicadas na seção “Cartas na Mesa”.

Neste especial

Mais recentes

Tabaco e saúde mental

18 de janeiro de 2022

Investigação revela como as famílias agricultoras do tabaco estão expostas a agrotóxicos que acarretam sofrimento mental, depressão e suicídio

Amazônia sem Lei

2 de dezembro de 2021

Este especial investiga quem está por trás da destruição da maior floresta tropical do mundo e traz reportagens sobre violência relacionada à regularização fundiária, demarcação de terras e reforma agrária na Amazônia Legal e no Cerrado

Pandora Papers

3 de outubro de 2021

O maior vazamento de arquivos de paraísos fiscais da história