AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Adeus, 2016!

Neste ano conturbado para o Brasil, nós da Agência Pública cobrimos a crise política no país, publicamos mais de cem reportagens investigativas e tivemos nosso trabalho reconhecido também internacionalmente

 

Especiais

100

O projeto 100 é o maior levantamento multimídia já feito sobre as remoções ocorridas no Rio de Janeiro por conta das obras para a Olimpíada. São cem depoimentos em áudio ou vídeo das vítimas das remoções – onde se pode buscar as histórias por tipo de indenização ou por comunidade – além de mapas que mostram de onde foram retiradas e para onde foram, animações feitas pela designer Lorena Parra e um mural interativo onde os leitores podem deixar o seu recado.

 

Amazônia em disputa

Neste ano, investigamos a atuação das agências governamentais em meio a disputa predatória por terra na maior floresta tropical do planeta. Durante três meses, levantamos e cruzamos dados sobre o Incra, a Funai, o ICMBio e o Serviço Florestal Brasileiro buscando avaliar o controle do Estado sobre o território e a execução das políticas públicas de prevenção ao desmatamento e aos conflitos por terra. Munidos desses dados, partimos para mais três meses de reportagens em campo nos estados do Pará e Mato Grosso, com o objetivo de apurar o resultado dessas políticas na vida dos que ali vivem. Do destino dessas comunidades depende o futuro da floresta, como constatamos ao longo dessa investigação.

TVs da Amazônia

A repórter Elvira Lobato percorreu durante um ano os nove estados da Amazônia Legal e investigou mais de 1700 canais de retransmissão de televisão localizados na área, que representa 56% do território nacional. Ao longo das investigações, a repórter descobriu que as retransmissoras são controladas por políticos, prefeituras, empresários e igrejas, mas que não é raro encontrar canais de jornalistas apaixonados pela profissão. Em fevereiro de 2016, publicamos o especial em formato multimídia.

Especial África

Neste ano, publicamos uma grande investigação sobre os negócios de duas grandes empresas brasileiras em países africanos. A repórter Marina Amaral e o fotógrafo Alexandre Campbell foram até Moçambique investigar os negócios da Vale no país. Já Natalia Viana e a documentarista Eliza Capai foram investigar as ações da Odebrecht em Angola.

Olimpíada

O Porto Maravilha é negro

Construído na região que abrigou o maior porto negreiro das Américas, projeto da prefeitura “lembra pra esquecer” essa herança; debaixo da atração turística há milhares de ossos de escravos traficados, dizem especialistas.

Por Rogério Daflon

Concremat: de “braço auxiliar” das remoções à queda da ciclovia 

Laudos e contralaudos revelam falhas graves da Concremat – construtora da ciclovia que caiu em abril no Rio de Janeiro – em serviço de identificação de áreas de risco para a prefeitura já em 2010. Ministério Público denunciou 14 pessoas pelo desabamento.

Por Adriano Belisário

As conexões brasileiras do “Senhor dos Anéis”

A Pública investigou as histórias de corrupção e negócios lucrativos do empresário croata Sead Dizdarevic, o todo-poderoso que detém a chave das melhores relações com o Comitê Olímpico Internacional (COI) e com o Comitê Organizador Rio 2016 (CoRio).

Por Lúcio de Castro

Operação policial financiada por empresários cariocas mira moradores de rua

A Operação Segurança Presente, que garante patrulhamento policial extra em bairros selecionados, é financiada pela Federação do Comércio, que escolheu os bairros a serem atendidos no Rio de Janeiro. No entanto, a ação dos guardas parece focar moradores de rua.

Por Anne Vigna

Rio, recordista de tuberculose em tempos olímpicos

Eis um recorde que a Cidade Maravilhosa se empenha em esconder: além de ter uma taxa de incidência de tuberculose bem acima da média nacional (82 casos por 100 mil habitantes), a taxa de mortalidade pela doença é a mais alta entre todas as capitais do país – 6,9 mortes por 100 mil habitantes, o dobro da média das capitais brasileiras. Segundo especialistas, para erradicar a doença é urgente urbanizar as favelas.

Por Anne Vigna

Entrevista com Dilma Rousseff

Em junho, entrevistamos com exclusividade a ex-presidente Dilma Rousseff. Foram quase duas horas de entrevista exclusiva, em que Dilma falou o que pensa das forças políticas do país e do que esse “golpe parlamentar”, nas palavras dela, representa para a democracia da América Latina. A presidente respondeu também a perguntas sobre questões polêmicas como aborto, hidrelétrica de Belo Monte e operação Lava Jato.

 

 

Inspirado no tradicional jogo de cartas, o Truco no Congresso é um projeto de checagem de dados que acompanha os trabalhos da Câmara dos Deputados e do Senado brasileiros.  Fruto de uma parceria da Agência Pública com o Congresso em Foco, o Truco faz checagens de frases ditas por parlamentares cruzando diversos dados relativos à matéria. Para cada frase é atribuída uma carta que classifica o nível de veracidade da afirmação. O projeto também resulta em reportagens investigativas sobre o funcionamento do Legislativo brasileiro.

Nenhum país adotou teto de gastos como o da PEC 241

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) afirmou em relatório que todos os países que adotaram tetos de gastos recuperaram sua economia. O Truco no Congresso checou a informação e descobriu que “Não é bem assim”: as regras dos sistemas adotados ao redor do mundo são menos rigorosas que as da proposta brasileira.

Por Étore Medeiros

Checamos 12 argumentos pró e contra o impeachment

Durante a comissão especial da Câmara pelos juristas Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, autores do pedido de impeachment da presidente Dilma, e o ex-ministro da Advocacia-Geral da União, José Eduardo Cardozo, encarregado da defesa da petista, usaram o púlpito para apresentar argumentos a favor e contra a destituição. A Pública selecionou 12 afirmações e checou a veracidade dos dados apresentados.

Por Étore Medeiros e Maurício Moraes

As dinastias da câmara

De teor fortemente conservador, o grupo que ocupa as cadeiras da Câmara dos Deputados hoje é o que ela é o possui maior percentual de deputados com familiares políticos desde as eleições de 2002. A investigação da Pública descobriu que quase a metade dos deputados são herdeiros de familiares cujo poder político, em alguns casos, remonta ao período colonial.

Por Étore Medeiros

As bancadas da câmara

Quais são os interesses por trás dos grupos que se organizam na Câmara dos Deputados? O Truco no Congresso mapeou as principais bancadas da casa, esmiuçou suas pautas e levantou quais deputados compõem os onze grupos mais atuantes.

Por Bruno Fonseca e Étore Medeiros

Pelo menos 17 governadores pedalaram impunemente

Votos, pareceres e manifestações dos Tribunais de Contas e Ministérios Públicos de Contas de 20 estados brasileiros foram analisados pela reportagem e mostram que pelo menos 17 governantes utilizaram mecanismos conhecidos como pedaladas para maquiar as contas públicas estaduais e, ainda assim, tiveram suas contas aprovadas.

Por Étore Medeiros

Para monitorar as eleições municipais deste ano a Pública lançou o projeto de checagem de dados Truco Eleições 2016, que fiscalizou frases dos cerca de 50 candidatos a prefeito em cinco capitais – São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Belém – durante a disputa eleitoral. Cerca de 500 checagens foram produzidas com frases dos candidatos extraídas de debates, comícios e propagandas em TV e rádio. Para isso, a equipe de mais de 20 checadores do Truco seguiu uma metodologia rigorosa de seleção e apuração dos dados.

Relembre as checagens produzidas em cada uma das cidades:

Crivella X Freixo: checamos ao vivo o debate da Globo no Rio

O Truco Eleições 2016 se uniu às plataformas Agência Lupa, Aos Fatos, e Detector de Mentiras, do Meu Rio, para fazer uma checagem ao vivo do último debate do segundo turno das eleições para prefeitura do Rio de Janeiro. A equipe, composta por mais de 20 jornalistas especializados em fact-checking, checou em tempo real a veracidade das afirmações de Crivella e Freixo no debate promovido pela TV Globo. O resultado das checagens foi publicado ao vivo nas redes sociais de todas as plataformas. Ao todo, mais de 35 afirmações foram verificadas pelo pool.

Microbolsas Judiciário

No começo deste ano, convocamos repórteres independentes a propor investigações jornalísticas sobre o Poder Judiciário. Os resultados estão abaixo:

Acima de qualquer suspeita

A reportagem investiga o desembargador Luiz Zveiter, alvo de sete acusações no CNJ e punido em um único processo. Neste ano, Zveiter concorreu pela segunda vez à presidência do TJ-RJ após mudança de regra do tribunal permitir a reeleição.

Por Manuela Andreoni

Quando a Justiça erra

Três homens presos pelo mesmo crime. Pelo menos duas vidas destruídas por falhas e descaso que vão da investigação policial à condenação judicial

Por Luiz Guilherme de Almeida

Adeus, Guyraroká

Como o STF decidiu que uma terra em demarcação no Mato Grosso do Sul não era dos Kaiowá – e abriu as portas para outras decisões que podem impedir o direito territorial dos índios.

Por Tânia Caliari

Quem julga o juiz?

Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria.

Por Vinícius Assis

As controvérsias da corte militar

Investigamos como o Tribunal da Justiça Militar gaúcho se blinda diante dos projetos que há décadas pedem sua extinção

Por Fernanda Canofre

Reportagem Pública

Nosso crowdfunding para financiar o projeto Reportagem Pública 2015 ainda rendeu reportagens em 2016. Confira algumas:

Especial Quilombolas

“Acuados” é um especial sobre a situação dos quilombolas no norte do Espírito Santo. Prisões em série, perseguição e conflitos acossam os descendentes de pessoas escravizadas. O território onde ocorrem as prisões, que pertence aos quilombolas por direito, é administrado por uma líder mundial na produção de celulose. Nossa reportagem percorreu mais de mil quilômetros para conhecer um cenário onde a violência vem junto com o deserto de eucaliptos.

Por Patrik Camporez Mação e Luísa Torre

HQ: O Haiti é aqui

Esta reportagem em quadrinhos conta a história de um grupo de imigrantes haitianos residentes em Santo André (SP) que se organizou para produzir uma websérie combatendo estereótipos.

Por Ênio Lourenço e Adriano Kitani

Indigente

A vídeo-reportagem de Ali Rocha denuncia que corpos identificados vem sendo enterrados como indigentes no estado de São Paulo. As famílias não são notificadas e algum tempo depois, encontram seus parentes enterrados como indigentes. A pauta foi escolhida pelos colaboradores de nosso crowdfunding.

Por Ali Rocha

Mapa do Jornalismo Independente

 

Neste ano, lançamos o Mapa do Jornalismo Independente, que já mostra mais de 80 iniciativas independentes no Brasil. Nosso mapa é interativo, pode ajudar a entender melhor o cenário do jornalismo independente e funcionar como um catálogo para as pessoas interessadas em acompanhar novos meios de comunicação.

 

Casa Pública

A Agência Pública inaugurou este ano, no Rio de Janeiro, o primeiro centro cultural de jornalismo do Brasil. A Casa Pública é um centro para a produção, fomento, discussão e apoio ao jornalismo independente que atua na realização de eventos, como exposições de fotojornalismo e debate, além de promover visitas e residências de jornalistas estrangeiros e incubar projetos inovadores de mídia.

Conversas Públicas: o jornalismo em debate

Uma das premissas da Casa Pública é funcionar como um espaço de discussão do papel do jornalismo e receber eventos, workshops e exposições relacionados ao tema. Neste contexto foi criada a série Conversa Pública, na qual jornalistas comandam entrevistas ao vivo e debates. Foram mais de 11 Conversas Públicas este ano, com convidados como Glenn Greenwald, cofundador do The Intercept Brasil, e Rafael Marques, premiado repórter angolano.

Conheça Gênero e Número, uma aposta nos dados – e nas mulheres

Um dos eixos da Casa Pública é a incubação de novas iniciativas de jornalismo independente, com consultoria e acompanhamento de perto na fase inicial, desde o lançamento à estruturação da nova empreitada. A revista web Gênero e Número foi o primeiro projeto selecionado. Produzida exclusivamente por mulheres, a publicação visa qualificar e melhorar o debate de gênero no país através do jornalismo de dados.

Jornalistas internacionais invadem a Casa Pública

O programa Residências Públicas ofereceu quatro bolsas para estrangeiros apurarem reportagens investigativas sobre direitos humanos durante a Olimpíada no Rio de Janeiro.

O projeto recebeu 177 inscrições de 42 países. Os selecionados, naturais do Equador, Chile, França, Itália e Quênia, ficaram hospedados na Casa Pública durante um mês, onde tiveram acesso a uma rede de colaboradores, fontes e eventos que os ajudaram na elaboração das pautas.

Matérias premiadas

Em 2016, a Pública ganhou 12 prêmios e foi a primeira mídia brasileira a ser  nomeada para o Prêmio Liberdade de Imprensa, promovido pela organização internacional Repórteres Sem Fronteiras para meios de comunicação que lutam pela liberdade de expressão.

Prêmio Gabriel Garcia Márquez

Para fazer a reportagem São Gabriel e seus demônios, Natalia Viana foi até o alto rio Negro, no noroeste do Amazonas, em busca de entender por que São Gabriel da Cachoeira, o município mais indígena do Brasil, é também o que tem o maior índice de suicídios. A investigação venceu neste ano o Prêmio Gabriel Garcia Marquez na categoria texto.

Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos

Neste ano, vencemos o Prêmio Vladimir Herzog na categoria internet com o projeto 100, um especial transmídia que conta a história de 100 famílias cariocas removidas para dar lugar à Olimpíada. O especial TVs da Amazônia, da repórter Elvira Lobato, recebeu menção honrosa na mesma categoria.

Prêmio República

A Associação Nacional de Procuradores da República, responsável pelo Prêmio República, premiou na categoria Jornalismo Web a reportagem No Ceará, terra dos Tremembé é ameaçada por Resort Espanhol, de Ciro Barros. A reportagem Ninguém os Ouviu, de Ana Aranha e Jessica Mota, foi finalista na mesma categoria.

Prêmio Petrobras

O Especial Tapajós, de Ana Aranha, Jessica Mota, Bruno Fonseca e Marcio Isensee e Sá, ganhou o Prêmio Petrobrás de Jornalismo na categoria Nacional – Responsabilidade Socioambiental – Portal de Notícias na Internet. A matéria Não vai ter Copa, de Rafael Luis Azevedo, foi a vencedora da categoria Nacional – Petróleo, Gás e Energia – Portal de Notícias na Internet.

Outros prêmios

– Prêmio Comunique-se na categoria Repórter de Mídia Escrita para Natalia Viana

– Troféu Mulher Imprensa na categoria Repórter de Site de Notícias para Andrea Dip

– Prêmio Délio Rocha na categoria Reportagem de Internet para a matéria “A Arte de Ignorar a Natureza

– Terceiro lugar no prêmio José Lutzenberger de Jornalismo Ambiental, categoria webjornalismo, para a reportagemIlha dos Marinheiros: à margem de Porto Alegre

– Terceiro lugar no 33º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, categoria online, com as reportagens Especial Quilombolas e 396 mortes pela PM paulista: as histórias por trás dos BOs

 

Destaques da nossa produção fotográfica em 2016

As 10 reportagens mais lidas

As 10 reportagens mais republicadas

Quem apoiou a Pública em 2016

Fundação Ford

Financiadora institucional da Pública e da Casa Pública

Oak Foundation

Financiadora institucional da Pública e da Casa Pública

Open Society Foundations

Financiadora da Casa Pública

Aliança pelo Clima e Uso da Terra (CLUA)

Especial Amazônia em Disputa

Instituto Betty e Jacob Lafer

Truco e Microbolsas Judiciário

Crowdfunding Reportagem Pública 2015

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook