Agência de Jornalismo Investigativo

Moreira Franco disse que governo Temer fez em seis meses o que a ex-presidente não conseguiu em seis anos

30 de Março de 2017
O ministro Moreira Franco (PMDB), que afirmou que o governo Temer concluiu a transposição do São Francisco em seis meses
O ministro Moreira Franco (PMDB), que afirmou que o governo Temer concluiu a transposição do São Francisco em seis meses. Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

“Em 6 anos, Dilma não conseguiu entregar as obras de transposição do rio São Francisco. Nós entregamos em seis meses.” – Moreira Franco (PMDB), ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, em postagem no Twitter no dia 17 de março.

Falso

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco (PMDB), utilizou seu perfil no Twitter em 17 de março para rebater declarações da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Naquela sexta-feira, o jornal Valor Econômico publicou entrevista em que a petista faz críticas ao presidente Michel Temer (PMDB) e a alguns dos integrantes de seu governo, entre eles, o próprio Moreira Franco.

Em um dos tuítes, o ministro afirma que a gestão Temer conseguiu entregar as obras de transposição do rio São Francisco em seis meses, enquanto Dilma, em seis anos ocupando a presidência da República, não o fez. O Truco – projeto de checagem de dados da Agência Pública – apurou a informação e concluiu que ela é falsa.

Procurada para que indicasse a fonte dos dados, a assessoria de Franco comunicou somente que a frase foi retirada de seu Twitter oficial e que fazia parte de um contexto formado por outras mensagens, em que citava fatos positivos sobre a administração de Michel Temer para contrapor os comentários de Dilma. Vale lembrar que o peemedebista integrou a equipe do primeiro mandato da presidente como ministro-chefe da extinta Secretaria de Assuntos Estratégicos e, posteriormente, como ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil.

O Projeto de Integração do Rio São Francisco – tema de extensa reportagem da Pública em 2014 – conta com dois eixos de transferência de água: Leste e Norte, sendo que o primeiro foi inaugurado por Temer em 10 de março. A reportagem entrou em contato com o Ministério da Integração Nacional para obter dados referentes ao andamento do projeto. A assessoria de imprensa comunicou que informações atualizadas constam no site da pasta. Também enviou nota com números gerais sobre a execução do projeto e recursos a ele destinados nos últimos meses do governo Dilma e primeiros sete meses de gestão Temer.

O empreendimento foi iniciado em 2007, no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com o 1º Balanço do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento 2), publicado em 29 de julho de 2011, haviam sido concluídos 69% do Eixo Leste e 44% do Eixo Norte até o final do primeiro semestre daquele ano, pouco depois de Dilma assumir. Em abril de 2016, quando ela ainda era presidente, relatório do Ministério da Integração Nacional indicava que 84,4% do Eixo Leste e 87,7% do Eixo Norte estavam construídos. O documento seguinte, de agosto – mês em que foi oficialmente destituída do cargo, do qual havia sido afastada em maio –, aponta que a porcentagem realizada das obras havia chegado a 88,7% no Leste e 90,7% no Norte.

Em março deste ano, apenas o Eixo Leste foi inaugurado, embora não esteja completamente concluído. De acordo com o Ministério da Integração Nacional, 98,08% de sua estrutura está finalizada. Faltam ainda “obras complementares que não alteram seu funcionamento”. Já o Eixo Norte, de acordo com a pasta, está 94,63% pronto, e a previsão é de que comece a operar no segundo semestre deste ano. Uma das etapas, contudo, está paralisada porque a Mendes Júnior, empreiteira contratada para executá-la, foi declarada inidônea pela Controladoria-Geral da União (CGU). Portanto, a empresa foi afastada e uma licitação está em curso para selecionar a companhia que assumirá a tarefa. Levando-se em conta os números de abril de 2016 até agora, 13,94% da porção leste do projeto e 7,32% da porção norte foram executados sob administração do PMDB.

Na discussão sobre a paternidade da transposição do São Francisco, há também a questão dos recursos financeiros. A Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2016, aprovada pelo Congresso Nacional no fim de 2015 – ou seja, ainda durante o governo Dilma Rousseff –, direcionou R$ 1,352 bilhão para as obras, dos quais R$ 396 milhões foram reservados para a construção do Eixo Leste. Essa quantia foi utilizada ao longo de 2016. De acordo com informações enviadas pelo Ministério da Integração Nacional, foram gastos R$ 378,2 milhões de maio a dezembro de 2016, período em que Temer já ocupava o cargo. A pasta alegou que houve atrasos nos pagamentos entre janeiro e abril. Ainda assim, se o governo anterior não tivesse reservado essa quantia no Orçamento, ela não poderia ter sido paga.

Dados sobre recursos da LOA 2016 destinados à transposição do Rio São Francisco

Os dados levantados pela nossa apuração mostram que o governo Temer ainda não concluiu os dois eixos da transposição. Além disso, apenas uma pequena parcela da obra foi executada na administração do PMDB. Por isso, classificamos a frase de Moreira Franco como falsa.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 96488-5119. Acompanhe também no Twitter e no Facebook.

Mais recentes

Levy Fidelix exagera impostos em medicamentos

18 de julho de 2018 | por , e

Pré-candidato pelo PRTB também superestimou a concentração de renda no país e acertou valor da dívida pública

Projeto de lei que tramita na Câmara não cria novos municípios

11 de julho de 2018 | por

Imagem que circula no Facebook denuncia tentativa de criação de 400 novas cidades mas projeto de lei apenas regulamenta os requisitos necessários para plebiscitos locais

Carro incendiado em São Paulo não foi resposta à recusa de dinheiro com carimbo “Lula Livre”

9 de julho de 2018 | por

Segundo a PM, motivação para atear fogo ao carro é diferente ao que tem se espalhado nas redes sociais

Explore também

O ministro da Justiça licenciado, Alexandre de Moraes, em sabatina no Senado

Moraes só será revisor da Lava Jato em casos do plenário

21 de Fevereiro de 2017 | por

Analisamos se o indicado para o STF vai mesmo ser responsável por revisar os processos da operação judicial

Minas, monas e mascarados

4 de novembro de 2016 | por

A lição de resistência dos estudantes secundaristas do Paraná

“Meu pai sabia demais”

16 de Março de 2015 | por e

Filha do embaixador do Brasil no Paraguai durante a ditadura acredita que denúncia de corrupção em Itaipu pode ter provocado morte de seu pai