Mesmo em meio às incertezas trazidas pela COVID-19, nós da Agência Pública não tivemos dúvida sobre onde deveríamos colocar nossa atenção: nas desigualdades desnudadas pela pandemia e na atuação do governo brasileiro em um momento tão crítico

Mesmo em meio às incertezas trazidas pela COVID-19, nós da Agência Pública não tivemos dúvida sobre onde deveríamos colocar nossa atenção: nas desigualdades desnudadas pela pandemia e na atuação do governo brasileiro em um momento tão crítico

21 de dezembro de 2020
12:00

Que ano. 2020 ficará marcado na vida de todos que o viveram como o ano em que o imponderável tomou as rédeas de todos os acontecimentos, o ano em que acostumamo-nos a conviver com a incerteza, a imprevisibilidade. 

Parece também ter sido o ano em que nos acostumamos ao horror, à inominável morte de mais de 185 mil brasileiros e 1,67 milhão de pessoas pelo mundo afora, como se fosse um fato corriqueiro da vida. O ano em que chefes de Estado atuaram contra as suas populações, piorando os efeitos da pandemia em diversos países – seja por incompetência, corrupção, omissão ou, como aqui, por puro desprezo à vida das pessoas, irrelevante no cálculo político. 

Na Agência Pública, como em todos os veículos de imprensa do mundo, passamos a trabalhar com a imprevisibilidade como fator onipresente no nosso dia-a-dia; foi uma tarefa extremamente árdua entender os meandros de uma doença da qual ainda hoje se sabe pouco, para trazer informações confiáveis aos nossos leitores. 

Imprevisibilidade, ainda, de condições de trabalho: em março, estávamos nos preparando para voltar à redação depois de uma longa reforma, quando tivemos que retornar todos para casa e fazer o que sempre evitamos, jornalismo pelo telefone.

Mesmo em meio a tantas incertezas, não tivemos dúvida sobre onde deveríamos colocar nossa atenção: nas desigualdades e injustiças que a pandemia de COVID-19 desnudaria, atingindo de maneira diferente os pobres e os ricos. De fato, o que ocorreu, conforme nos explicou a pneumologista Margareth Dalcolmo, foi que a epidemia chegou ao Brasil através da classe média e rapidamente se espalhou para a classe trabalhadora, que não tinha como ficar parada em casa – em especial os trabalhadores informais – e cujas famílias vivem em casas sobreocupadas, sendo impossível o distanciamento social que tornou-se a única medida eficaz para conter o vírus. 

Apostando no jornalismo de dados, conseguimos chegar a revelações de impacto. Bem no comecinho do isolamento social, mostramos como o Brasil tem vários desertos de unidades de tratamento intensivo – informação de extrema relevância para um país que começava a ser afetado pelo coronavírus. Apuramos que antes da pandemia os presídios do país já enfrentavam uma epidemia de tuberculose. Em maio, revelamos que em duas semanas, o número de mortes de negros por Covid-19 foi cinco vezes maior do que de brancos no Brasil. Mesmo assim, tivemos que enfrentar, como todos os demais jornalistas, um apagão de dados do governo federal – as inconsistências nos dados e os erros repetidos geraram uma verdadeira “caixa preta” no início da pandemia.  

Em certos casos, nossos repórteres não deixaram, de sair às ruas para acompanhar a situação da população. Nos primeiros dias da pandemia, uma repórter conseguiu viajar para uma pequena cidade fluminense onde conseguiu conversar (de longe) com a família de uma doméstica de 63 anos que morreram de coronavírus. Voltavam do enterro. Sua patroa, ao retornar de uma viagem à Itália, não a informou sobre os riscos de contaminação nem isolou-se. Sua morte foi a primeira no estado do Rio de Janeiro e a quinta no país. “Se a informação tivesse chegado antes, talvez pudéssemos mudar a história clínica”, disse o diretor do hospital à Agência Pública. Poucos dias depois, as estradas do Rio de Janeiro foram fechadas. 

Investigamos também a situação dos indígenas frente ao coronavírus, sob ataque do governo, que de propósito enfraquece as instituições que deveriam zelar por eles, abrindo seus territórios à ação de invasores e ladrões de recursos naturais. Os indígenas urbanos não ficaram mais a salvo: em Dourados, no Mato Grosso, eles foram contaminados a partir de um frigorífico da JBS. Os frigoríficos, aliás, tiveram um papel crucial em espalhar a COVID nas pequenas cidades, conforme registramos. 

Retratamos também o drama dos moradores de rua em São Paulo, absolutamente abandonados em meio à pandemia, e cobrimos a crise que se desenrolava no sistema carcerário, isolado do resto do mundo com a suspensão das visitas. Desde a precária situação dos presos no Amazonas, onde 300 foram isolados sem testes, e a situação de gestantes e mães com bebês que foram mantidas presas, até diversos relatos de tortura em um presídio em Urberlândia – um cenário que só se confirmou com a morte do jovem Lucas Trindade em presídio superlotado de outro município mineurio, Manhumirim. Uma morte que, constatamos, poderia ter sido evitada. Nossa repórter conseguiu entrevistar ainda um preso recém saído da pior prisão do Rio de Janeiro, unidade prisional Ary Franco, que fica debaixo da terra, sem janelas nem circulação de ar. “Tudo lá é subterrâneo. Você desce assim e vai ficando tudo abafado. Aí você começa a respirar diferente. É como respirar em um lugar úmido, fechado. É muito desumano”, ele contou. 

Mostramos como aqueles que adoecem e se curam de COVID enfrentam ainda hoje sequelas que incluem um eterno sentir de um cheiro podre, fadiga intransponível e danos neurológicos – eles relataram que não têm recebido atendimento no SUS para esses males.    

Na linha de frente disso tudo, os médicos e enfermeiros enfrentavam riscos pessoais, jornadas extenuantes, falta de equipamentos de proteção e testes – e em meio à falta de liderança do Ministério da Saúde, que deixou de ser protagonista em informar adequadamente a população. 

Isso tudo quando ainda não tínhamos chegado ao ponto que fez a pandemia ser ainda pior no Brasil do que em todos os demais países: a atuação do bolsonarismo.  

O presidente que propaga a morte 

Para muitos, a postura negacionista do presidente e de seu entourage foi uma surpresa, vinda de um homem explosivo e desinformado, porém  autêntico. Nossos repórteres investigaram a fundo como as mentiras propaladas pelo presidente, seus filhos e aliados mais próximos a respeito da COVID-19 se espalharam pela esfera da opinião pública – e comprovaram que não há nada de “orgânico” nelas. 

Foi tudo um cálculo político. 

Com ajuda de uma ferramenta de análise de Twitter, conseguimos comprovar que as primeiras ondas de Fake News que relacionavam a pandemia ao “vírus chinês” foram impulsionadas por robôs e por influenciadores bolsonaristas. Ao mesmo tempo, começava-se a armar um dos ciclos mais vergonhosos da pandemia, os protestos contra o isolamento que melaram a única medida protetiva eficaz segundo todos os órgãos sérios do mundo. Nossa equipe investigou quem estava por trás desses protestos, que tomaram avenidas como a Paulista, em carrões 4×4 e megafones. Detectamos que muitos deles foram articulados por políticos que tentaram sem sucesso fundar o Partido Aliança Pelo Brasil, o natimorto partido de Bolsonaro.   

A atuação do chamado “gabinete do ódio” foi crucial para Bolsonaro conseguir derrubar aquele que via como seu principal competidor político – o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que, embora com problemas, estava tentando lidar de maneira sensata com a emergência sanitária. Mandetta foi demitido em 16 de abril. Outros políticos que amedrontavam o presidente seguiriam como alvo preferencial dos ataques dele e das suas milícias virtuais. 

Assim, politizou-se a maior pandemia em um século. 

No centro da empreitada desinformativa estava a decisão indefensável do governo de abraçar remédios falsos para COVID, como a Cloroquina, que foi liberada para prescrição pelo Ministério da Saúde assim que o general Pazuello assumiu. O Exército passou a fabricar a droga – que não tem eficácia comprovada  – e, ato contínuo, prefeituras de todo o Brasil passaram a distribuir o “kit covid” aos cidadãos. Prefeitos que buscavam a reeleição passaram a propagandear a “falsa cura” como meio de ganhar votos – e muitos acabaram sendo mesmo reeleitos, como o de Porto Feliz (SP), que recebeu 92% dos votos. Outros foram pressionados pelos próprios cidadãos, que queriam o remédio propalado pelo presidente de qualquer jeito, como o de Joinville (SC).   

Nós só descobrimos isso graças a um novo método de reportagem, a Investigação Participativa, na qual convidamos leitores a enviarem denúncias que depois são investigadas pelos nossos jornalistas. 

Recebemos ao longo do ano centenas de respostas, que trouxeram realidades de diversos locais do Brasil e às quais dificilmente teríamos acesso sem a participação ativa de cidadãos indignados. É o caso, por exemplo da situação chocante dos funcionários da Petrobras na refinaria de Cubatão (SP), que estavam sendo obrigados a trabalhar mesmo depois de terem testado positivo para COVID-19.  Pelo menos três funcionários haviam morrido até agosto, segundo o sindicato.    

Nossas repórteres que se especializaram em investigar as redes de desinformação revelaram que, enquanto os mortos se avolumavam, o governo gastou R$ 10 milhões para divulgar uma “imagem positiva” do Brasil no exterior e que grande parte da verba da Secom era dirigida a sites e canais que ajudaram a espalhar desinformação sobre a pandemia. Outros R$ 30 milhões foram gastos em rádios e TVs de pastores que fizeram uma “oração” por Bolsonaro em Brasilia. Também investigamos a aliança estável com grupos que tem crescido na onda bolsonarista, como o grupo evangélico MK, cujo site Pleno.News traz manchetes como essa: “Sol forte pode matar coronavírus em 34 minutos.” 

O grupo que espalhou ativamente Fake News pertencia à família do senador Arolde de Oliveira, presidente do PSD no Rio de Janeiro. Sua esposa, Yvelise de Oliveira, é  ainda a CEO da empresa, que também administra a página de Youtube de Flávio Bolsonaro, filho do presidente. Arolde morreu em agosto de COVID-19, a doença inclemente.  

Impeachment, Militares e Evangélicos 

A atitude de Bolsonaro – que por diversas vezes negou e colocou em dúvida medidas sanitárias que deveriam ser acatadas o mais rápido possível – manteve o governo e o país em seguidas crises que tiveram um resultado claro: mais de 1500 brasileiros acorreram ao Congresso para protocolar 55 pedidos de impeachment do presidente. 

Reunindo todos eles nessa ferramenta, onde podem ser avaliadas por todos os cidadãos. Vêm de todos os matizes políticos – de indígenas a ex-bolsonaristas – e muitos têm argumentos claros ao descrever crimes de responsabilidade cometidos pelo presidente durante a crise. Nenhum deles foi a votação por falta de iniciativa do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; mas o presidente da casa recebeu, graças à nossa ferramenta, mais de 5.300 e-mails de brasileiros cobrando que ele se mexa. 

O negacionismo levou também a algumas perdas importantes para o governo. Em 24 de abril o ministro Sergio Moro desembarcou da aventura bolsonarista, minando o apoio dos lavajatistas ao governo e abrindo incerteza sobre seu próprio futuro político. 

Foi um fim melancólico para um juiz que sonhou muito para si mesmo e para uma Força-Tarefa que conquistou aliados influentes. Durante o ano, nós publicamos uma série de reportagens sobre a questionável aliança – por vezes, com ações ilegais – entre a Lava Jato e o governo americano, representado ora pelos procuradores do Departamento de Justiça, que vieram ao Brasil entrevistar delatores a convite de Deltan Dallagnol e sua  turma e sem a autorização do governo federal; ora pelos agentes do FBI, que retomaram a influência sobre agentes brasileiros da PF e sobre procuradores com o canto da sereia do combate à corrupção. Detalhamos quem foram os agentes que atuaram nos casos da Lava-Jato, investigando Petrobras e Odebrecht em nome do governo americano, entre eles uma super-agente que atuou muito no Brasil e se tornou chefe da Unidade de Investigação transnacional do FBI e um agente que trabalhou com inteligência durante a Guerra do Golfo e virou adido policial em Brasília. Tudo isso enquanto os procuradores discutiam com os americanos como repartir a verba da multa da Petrobras – que sempre souberam que seria bilionária e recebiam ajuda da ONG Transparência Internacional para formatar a fundação que administraria a verba e ampliaria as receitas para o mercado de combate à corrupção, beneficiando seus próprios colegas. Revelamos ainda que Sérgio Moro, durante os 18 meses que esteve à frente do Ministério da Justiça, abriu as portas do país ao FBI, que manteve dezenas de reuniões com membros do MJ e apoiou a construção de um centro de espionagem na tríplice fronteira, onde também tem acento. Todas as reportagens foram feitas graças ao arquivo da Lava-Jato, diálogos vazados ao site Intercept Brasil, com o qual fizemos essa prolífica parceria.       

O desembarque de Moro do governo significou o fortalecimento dos dois últimos grupos leais a Bolsonaro (fora o hesitante centrão): os evangélicos e os militares. A esses seguimos investigando sua atuação nas GLOs, nas quais mataram 25 civis na última década. Este ano, provamos que a operação que levou à morte do músico Evado Rosa no Rio de Janeiro foi no mínimo irregular e, provavelmente, ilegal. Ouvimos militares influentes para entender o termômetro político de um governo cujo presidente chegou a propor uma intervenção militar no STF, segundo reportagem da Revista Piauí. E mapeamos como o GSI comandado pelo general Augusto Heleno está implantando agentes da Abin em diferentes ministérios na sua sanha de espionar diferentes temas e camadas da sociedade. 

Já os evangélicos nós temos investigado desde 2015. Este ano, nossa cobertura foi reforçada e passou a ser uma espécie de “editoria” com jornalistas especializadas em mapear o lobby, o abuso de poder religioso e o fluxo de dinheiro público que irriga as diferentes igrejas e empresas evangélicas. Investigamos o lobby das igrejas que exigiam que os templos ficassem abertos durante a pandemia, como forma de combater a redução do dízimo mesmo às custas da saúde dos fiéis; mostramos como grupos evangélicos e olavistas se engajam ativamente nas campanhas de desinformação contra inimigos políticos do governo, como no triste caso da tentativa de ligar pedofilia à esquerda, investigamos com atenção as comunidades terapêuticas administradas por organizações evangélicas, que mantiveram as internações durante a pandemia e foram alvo de denúncia de abusos e até tortura contra adolescentes internados.  

Com a aproximação das eleições, apuramos como os evangélicos fizeram propagandas em templos e criaram novas lideranças para ganhar ainda mais espaço da política – um bom exemplo são as “novas Damares” que abraçam o cor-de-rosa e a orgulhosa defesa que Silas Malafaia fez dos seus candidatos, enviando santinhos para moradores do Rio de Janeiro e assumindo em entrevista à nossa repórter: “É uma guerra ideológica. Então, você pensa que vou dar mole para eles [a esquerda]? Não tem moleza, é pau, é ideológico.” Puxados pela  Igreja Universal, as candidaturas de sacerdotes bateu recorde esse ano.  

Nesse clima, as eleições foram marcadas como as mais violentas desde a redemocratização, com cinco ataques políticos a cada dia em novembro, conforme comprovamos em um levantamento inédito que aliou Investigação Participativa e uma apuração feita com oito organizações jornalísticas, unindo nesse esforço sem precedentes 35 profissionais, entre repórteres e editores.   

Os leitores foram nossos maiores aliados 

Em todo esse ano conturbado, os leitores foram nossos melhores guias. Foram os Aliados, aqueles que contribuem com doações mensais para que a Pública exista, que indicaram algumas das vozes mais lúcidas para entrevistarmos, aquelas que nos ajudaram a refletir sobre as incessantes crises que abalaram cada um de nós. Nomes como Miguel Nicolelis, Lilia Schwarcz e Laura Carvalho figuraram no nosso site por terem sido eleitos pelos nossos aliados.  

Diante de tudo o que aconteceu em 2020, o próximo ano trará pelo menos um motivo para que a equipe da Pública olhe para trás com orgulho. Em março de 2021, a agência, a primeira a se dedicar totalmente ao jornalismo investigativo no país, completa 10 anos de existência. Para marcar a data, vamos publicar um livro sobre aspectos cruciais sobre nossas coberturas, estratégia e modelo de negócios. E teremos um memorável evento online em parceria com o Instituto Tomie Ohtake para refletir sobre a próxima década. Comecei esse texto dizendo que, ao que parece, nós brasileiros nos acostumamos ao horror das mortes. No dia em que o Brasil volta a ter 1000 mortes por dia, tenho a certeza de que, aqui na Pública, não nos acostumamos e nem vamos nos acostumar. A certeza vem desses 10 anos de jornalismo que guarda, ainda hoje, a marca da indignação contra injustiças, abuso de poder e a desigualdade, sempre aliada ao mais rigoroso processo de investigação e checagem. E que, ao final, ajuda a mudar, pouco a pouco, a realidade. Que venham mais dez!

Reportagens mais lidas

“Se tivessem me falado dos perigos, eu não teria autorizado”, diz irmã de paciente medicada com cloroquina sem consentimento

20 de julho de 2020 | por

Zemilda, 54 anos, que tinha pressão alta e sofria de obesidade mórbida e faleceu em maio, foi tratada com a droga sem que a família fosse informada da falta de eficácia e segurança do medicamento

O FBI e a Lava Jato

1 de julho de 2020 | por , e

Diálogos vazados mostram proximidade entre PF, procuradores e o FBI no caso da Lava Jato, incluindo “total conhecimento” das investigações sobre a Odebrecht

“Não tem mais mundo pra todo mundo”, diz Deborah Danowski

5 de junho de 2020 | por

A filósofa, que pesquisa há anos “a quebra da relação do homem com o mundo”, diz que a pandemia foi “uma pancada”, mas a sociedade ainda não percebeu a extensão e a urgência do colapso ecológico, em parte pela ação dos negacionistas financiados pela elite

“Quanto maior o colapso do governo, maior a virulência da guerra cultural”, diz pesquisador da Uerj

28 de maio de 2020 | por

Para o professor João Cezar de Castro Rocha, uma visão revanchista e revisionista da história brasileira moldou Bolsonaro e os bolsonaristas; é essa narrativa que justifica a criação e eliminação de inimigos em série enquanto, ao mesmo tempo, torna impossível governar

Após uso de robôs, Laureate agora demite professores de EAD

13 de maio de 2020 | por

Mais de 90 profissionais da educação à distância foram demitidos hoje da rede que é dona da FMU e Anhembi Morumbi; há quinze dias nossa reportagem denunciou uso de robôs no lugar dos docentes

Laureate usa robôs no lugar de professores sem que alunos saibam

30 de abril de 2020 | por

Docentes da rede educacional que controla universidades como FMU e Anhembi Morumbi denunciam uso de inteligência artificial para correção de textos; documento obtido pela Pública confirma situação

Primeira morte do Rio por coronavírus, doméstica não foi informada de risco de contágio pela “patroa”

19 de março de 2020 | por

“Se as informações tivessem chegado mais cedo talvez a gente tivesse como mudar a história clínica”, diz diretor do hospital

Trabalho informal sem direito à quarentena: “Se eu ficar em casa como vou sobreviver?”

18 de março de 2020 | por e

Diaristas, motoristas, entregadores e ambulantes contam à Agência Pública como têm passado os primeiros dias de recomendação de isolamento em São Paulo

Como a Lava Jato escondeu do governo federal visita do FBI e procuradores americanos

12 de março de 2020 | por , , e

Deltan Dallagnol e Vladimir Aras não entregaram nomes de pelo menos 17 americanos que estiveram em Curitiba em 2015 sem conhecimento do Ministério da Justiça

Marcos Nobre: “Se não houver acordo entre as forças do campo democrático, Bolsonaro está reeleito”

4 de março de 2020 | por

Para presidente do Cebrap, a eleição de Bolsonaro não é uma simples alternância de poder: "Trata-se de um presidente que quer, de fato, destruir as instituições democráticas"

Cinco vezes em que nossas reportagens provocaram mudanças

1) O FBI e a Lava jato:  As informações reveladas sobre a colaboração entre o FBI e a Lava Jato levaram a diversos impactos. Após as revelações, pela primeira vez um processo foi aberto pelo Conselho Nacional Ministério Público contra o chefe da Força-Tarefa, Deltan Dallagnol. As informações deram força ao pedido da defesa do ex-presidente Lula para acessar correspondências trocadas entre membros da força-tarefa e autoridades estrangeiras no STF. Além disso, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) determinou ao Ministério da Justiça que informasse à defesa de Lula sobre a existência de registros de pedidos de cooperação internacional entre os procuradores e autoridades americanas no âmbito da Operação Lava Jato. O ministério disse não ter encontrado nenhum pedido de cooperação internacional. Sob pressão, Deltan Dallagnol deixou pouco depois a liderança da Força-Tarefa.

2) Investigação de fraudes no ensino superior: Durante um ano, investigamos o grupo educacional Laureate, até então dono de universidades privadas como a Anhembi Morumbi e Uniritter. Revelamos a existência de fraudes para aprovar cursos no MEC, uso de robôs para corrigir atividades sem que os alunos soubessem e demissões de professores por pop-up. As denúncias da Pública motivaram uma ação civil pública do Ministério Público Federal, que qualifica de “absolutamente injustificável” a omissão do Ministério da Educação diante dos indícios de irregularidades, que podem afetar o aprendizado e a vida de mais de 300 mil alunos.

3) Paraquate banido: Este ano, o projeto Por trás do Alimento, parceria da Pública com a Repórter Brasil para investigar o uso de agrotóxicos, cobriu os trâmites finais da proibição do paraquate, um pesticida letal que estava, desde 2017, com data marcada para ser banido pela Anvisa. Investigamos o lobby das fabricantes e a pressão para que a Anvisa voltasse atrás na proibição. Nossa cobertura fez com que a Unicamp suspendesse uma pesquisa financiada por fabricantes de soja que visavam manter o paraquate em circulação e foi fundamental para que a Anvisa decidisse banir definitivamente o agrotóxico do país. Na última década, o paraquate intoxicou 530 pessoas no Brasil – das quais 138 morreram.

4) Acesso à informação: Após revelarmos que o governo não divulga dados de 72% dos agrotóxicos autorizados no país, protegendo multinacionais, o Ibama anunciou mudanças na forma de divulgar as informações sobre a produção e comercialização desses produtos. A reportagem também foi feita em parceria com a Repórter Brasil.

5) Acesso ao aborto legal: Em 2020, o caso da menina de 10 anos grávida após ter sido estuprada pelo tio e impedida de fazer o aborto legal em sua cidade chocou o país. A Pública revelou que a cidade de São Mateus, no Espírito Santo, onde ocorreu o caso, registra em média um parto de menina menor de 14 anos por mês – e que, apenas este ano, seis meninas da mesma faixa etária não conseguiram interromper a gravidez no município. Com base nos dados da reportagem, o Ministério Público do Espírito Santo pediu esclarecimentos a diversos órgãos públicos de São Mateus, como a Superintendência Regional de Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde, o Conselho Tutelar e as Delegacias de Polícia.

Mais republicadas

Nossas reportagens são distribuídas gratuitamente para veículos do Brasil todo e também de outros países. Neste ano, mais de 1000 republicadores espalharam nossas histórias por aí, no Brasil e em 19 países diferentes.

Especiais

Entre março e julho deste ano, toda a nossa equipe esteve integralmente dedicada a investigar os impactos da Covid-19 na vida dos brasileiros mais vulneráveis. Nossa cobertura ganhou uma menção honrosa especial para trabalhos sobre a pandemia do Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde.

Trabalhadoras domésticas enfrentam coação de patrões durante pandemia

5 de junho de 2020 | por

Segundo Federação Nacional, domésticas são obrigadas a trabalhar e ameaçadas de demissão; maioria de denúncias é sobre patrões que as obrigam a dormir no trabalho

Megaigrejas continuam abertas e dizem que fé cura coronavírus

19 de março de 2020 | por , e

Templos que recebem milhares de pessoas por culto planejam inclusive esquema de plantão para atender “os aflitos”

Em meio à pandemia de coronavírus, Brasil enfrenta “desertos” de UTIs

13 de março de 2020 | por , , e

Levantamento da Pública mostra que quantidade de leitos de UTI no Brasil segue a média da OMS, mas a distribuição desigual deixa áreas do Norte e Nordeste abaixo do recomendado

Em 2020, seguimos investigando – mesmo à distância – a violência motivada por disputas de terra na Amazônia.

Lavagem de gado dentro de terra indígena no Mato Grosso foi parar na JBS

5 de agosto de 2020 | por e

Documentos obtidos pela Pública indicam como um pecuarista com larga ficha de crimes ambientais na Amazônia enviou gado ilegal à maior produtora de carne bovina do mundo

Com Bolsonaro, fazendas foram certificadas de maneira irregular em terras indígenas na Amazônia

19 de maio de 2020 | por e

Levantamento exclusivo revela que mais de 100 propriedades foram autorizadas em TIs que aguardam demarcação; autorizações explodiram com nova portaria da Funai que desprotege territórios

A mineração em terra indígena com nome, sobrenome e CNPJ

20 de fevereiro de 2020 | por , , , , e

Levantamento exclusivo revela explosão de processos desde 2019 e lista os beneficiários com mais pedidos minerários em TIs: políticos, cooperativas de garimpo e até um artista plástico paulista

Com a ajuda dos leitores, contamos as histórias de dez cidades pelo Brasil cujos prefeitos distribuíram remédios sem eficácia contra a Covid-19 como medida de combate à pandemia – e, em alguns casos, na busca de popularidade política e até da reeleição.

Criamos uma ferramenta onde é possível consultar todos os pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro – são mais de 50 até agora.

Colaborações

Em parceria com a Repórter Brasil, investigamos o uso e a liberação de agrotóxicos no país, assim como suas inúmeras consequências para a saúde da população e para o meio ambiente.

Em parceria com o The Intercept Brasil, analisamos as mensagens privadas trocadas entre procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato e outros membros do Ministério Público Federal (MPF) e da Justiça, como o ex-ministro Sérgio Moro.

Investigação realizada por uma colaboração de veículos de dez países revelou que algumas igrejas e líderes religiosos nas Américas se amparam nas permissivas leis locais de liberdade de culto para abusar da confiança de seus fiéis e cometer crimes como lavagem de dinheiro e fraude.

Nos juntamos a outros oito veículos de jornalismo independente para apurar casos de violência ligados à disputa política durante o período eleitoral. O levantamento registrou 150 ocorrências ao longo do mês de novembro.

A Agência Pública se juntou a outras nove organizações de jornalismo independente para lançar o Canal Reload, uma das iniciativas vencedoras do Google News Innovation Challenge em 2019. O Reload se propõe a traduzir nossas reportagens e notícias para  o público jovem, com vídeos explicativos, histórias em quadrinhos e lyric videos.

Coordenamos a produção desta série de reportagens investigativas sobre a atuação de entidades religiosas que realizam práticas de “reorientação” para LGBTQI+ na América Latina. O especial foi realizado em parceria com Ojo Público (Peru), El Surtidor (Paraguai), a jornalista equatoriana Desirée Yépez e Mexicanos Contra la Corrupción y la Impunidad (México).

Podcasts

Em 2020, lançamos o Pauta Pública, nosso podcast quinzenal que revela os bastidores de grandes reportagens tanto da Pública quanto de outras redações.

Esta minissérie de podcasts busca trazer um olhar humano e autoral sobre personagens de reportagens que publicamos sobre a pandemia de coronavírus.

Prêmios

Aliados

Em 2020, completamos um ano do nosso programa de Aliados e chegamos a mais de 1500 pessoas que apoiam o trabalho da Pública! Faça parte, seja você também um Aliado!

Financiadores

Apoio Institucional

Apoio Institucional

Projeto Amazônia Sem Lei

Reportagens sobre Internet e Democracia

Podcast sobre Justiça

Apoio institucional à direção

Por trás do alimento

Por trás do alimento

Cobertura política

Tradução e distribuição internacional de Reportagens

Tradução e distribuição internacional de Reportagens

Microbolsas Mobilidade

Canal Reload e Apoio Emergencial Covid-19

Apoio Emergencial Covid-19

Rainforest Journalism Fund

Investigação Participativa

Apoio institucional

Cientistas na Linha de frente

Seja aliada da Pública

Bom jornalismo é remédio contra o autoritarismo. Quer defender a democracia? Doe mensalmente para a Pública.
Arte: Bruno Fonseca e Larissa Fernandes/Agência Pública
Bruno Fonseca/Agência Pública
Júlia Ledur
Ana Clara Moscatelli/Agência Pública
Guilherme Peters/Agência Pública
Arte: Bruno Fonseca e Larissa Fernandes/Agência Pública

Mais recentes

Exclusivo: Raoni denuncia Bolsonaro em corte internacional por crimes contra a humanidade; leia denúncia

23 de janeiro de 2021 | por

Representação ao Tribunal Penal Internacional afirma que o presidente é responsável por assassinato, transferência forçada e perseguição contra povos indígenas

Série de podcasts: Consciência Alterada

22 de janeiro de 2021 | por , e

Em três episódios, a série traz descobertas e reflexões sobre a ciência psicodélica

Grupo se reúne para proteger a Wikipédia do negacionismo climático

21 de janeiro de 2021 | por

Céticos do clima vandalizam verbetes sobre aquecimento global