Cobrimos a eleição e o fim do governo Bolsonaro, ganhamos 12 prêmios e já temos muitos planos para 2023

Cobrimos a eleição e o fim do governo Bolsonaro, ganhamos 12 prêmios e já temos muitos planos para 2023

16 de dezembro de 2022
17:00

Antes de relembrar tudo o que fizemos em 2022, é importante adiantar que nossos planos para 2023 são grandes: queremos abrir a caixa-preta do governo Bolsonaro e revelar as informações que foram sonegadas e escondidas nos últimos quatro anos. Para isso, precisamos chegar a 2.000 apoiadores até janeiro. Você pode fazer uma doação para a Agência Pública agora ou continuar lendo este texto para ter certeza de que somos capazes de cumprir nossas promessas. 

Encerramos o ano passado, esperançosos com a volta das reportagens em campo, prometendo investigar violações socioambientais e os impactos desses crimes nas mudanças climáticas, denunciar os ataques à democracia e aos direitos humanos, acompanhar com lupa as eleições cruciais deste ano. E, claro, continuar a investigar o governo Bolsonaro, o que fizemos incansavelmente nesses últimos quatro anos.

Entre as revelações feitas em 2022, estão a promessa de 1 bilhão da Lei Rouanet para conteúdo pró-armas pelo secretário da Cultura, a comprovação de que Jair Bolsonaro intensificou os encontros autoridades evangélicas antes do início da campanha eleitoral e de que Eduardo Bolsonaro fez mais de 70 reuniões com a direita norte-americana.

Agora queremos ir atrás do que não conseguimos pela opacidade do governo, que restringiu drasticamente o acesso à informação. Por isso, falamos em abrir a caixa-preta do governo Bolsonaro.  

Neste ano, passamos a ter uma sucursal em Brasília para acompanhar de perto o governo que desestabilizou a democracia e o país, atuou como agente de violação de direitos humanos, fez o Brasil voltar para o mapa da fome e ser visto como pária internacional. Nossa equipe em Brasília, já mostrou ao que veio: investigamos o escritório de advocacia de Flávio Bolsonaro, a atuação de Arthur Lira como presidente da Câmara dos Deputados e mostramos como ele e seus aliados se beneficiaram do orçamento secreto. Também revelamos com exclusividade que um despacho do presidente do Ibama poderia anular milhares de ações de fiscalização do órgão custando 3,6 bilhões de reais à União.

Nossas reportagens desnudaram o desmonte dos órgãos e políticas ambientais pelo governo Bolsonaro e seus impactos na vida de indígenas, quilombolas, ribeirinhos e pequenos agricultores. Completamos um ano da nossa cobertura especial sobre emergência climática, inaugurada com uma reportagem sobre o incentivo do governo a empresários da fonte mais poluente de energia, o carvão, que destrói o ambiente e as vidas em Santa Catarina com subsídios públicos. Também revelamos o greenwashing praticado por um empresa explorando créditos de carbono gerados no interior de duas Resex na Ilha do Marajó para outras grandes empresas, como Santander, Barilla, Deloitte e Air France, sem autorização nem benefícios para as comunidades que ali vivem.

Cenário de rejeitos da mineração de carvão exposto há anos
Em 2022 investigamos ainda mais o rastro de destruição dos poderosos e de suas corporações

Pelo segundo ano consecutivo, enviamos uma repórter para cobrir a Conferência do Clima, neste ano realizada no Egito, sob o ponto de vista dos movimentos sociais e povos originários. Revelamos que os indígenas acessam somente 7% do financiamento endereçado às suas próprias comunidades e mostramos como a eleição de Lula e sua presença na COP marcam a volta do Brasil à agenda global de combate às mudanças climáticas.

Além disso, seguimos na cobertura da violência fundiária, com o especial Amazônia Sem Lei. Mostramos como o lobby de um militar da reserva, velho conhecido do vice-presidente Hamilton Mourão, favoreceu mineradoras canadenses da Amazônia e revelamos os responsáveis pela destruição de unidades de conservação na Amazônia e no Cerrado. Em uma parceria inédita com a Comissão Pastoral da Terra, criamos o Mapa dos Conflitos, cruzando dados como desmatamento e queimadas com violência no campo. Os dados, compilados nos últimos 10 anos pela CPT, mostram que sob Bolsonaro, a média de conflitos no campo é a maior da história.

A experiência na cobertura desses conflitos foi fundamental para nossa rápida resposta ao  desaparecimento de Bruno Pereira e Dom Phillips no Vale do Javari, em junho deste ano. Enviamos quatro repórteres para Tabatinga e Atalaia do Norte para acompanhar o caso: Ciro Barros, Rubens Valente, e os fotógrafos Avener Prado e José Medeiros. Foram 20 dias na região e mais de 20 reportagens publicadas, muitas delas pautando toda a imprensa nacional, que em muitos casos, cobria as investigações policiais de longe.

A cobertura dos crimes na Amazônia também resultou em uma ótima aquisição para a Pública: em julho, o jornalista Rubens Valente, reconhecido publicamente por sua competência e ética, passou a ser nosso colunista. Em sua coluna na Pública, Rubens revelou o falecimento do indígena conhecido como Índio do Buraco, o último de sua etnia, com repercussão em toda a imprensa, incluindo a internacional. No campo político, outra de suas especialidades, Rubens revelou que Jair Bolsonaro, que na campanha apelava fortemente para as pautas de costumes, pediu para que um trecho em que dizia que “chegou a pensar em sugerir um aborto” à segunda esposa fosse retirado de entrevista dada à revista Playboy. Rubens também se juntou à equipe da Pública na cobertura do 7 de setembro golpista de Bolsonaro, quando nossos repórteres revelaram quem bancou a ida de tratores a Brasília para o ato antidemocrático.

Indígenas da Univaja no rio Itaquaí
Equipes de reportagem da Agência Pública se uniram ao esforço de jornalistas de todo o mundo na tentativa de elucidar as circunstâncias do assassinato de Dom Phillips e Bruno Pereira

No campo da defesa da democracia, para a qual estivemos sempre atentas, já em abril, fizemos dois eventos sobre as eleições de 2022 em parceria com o David Rockefeller Center, da Universidade de Harvard,. Em um deles, o professor Steven Levitsky, autor de “Como as Democracias Morrem”, alertou:  “Não há tempo para uma terceira via. A terceira via é Lula”. Naquele momento ele já defendia uma grande aliança para derrotar Bolsonaro no primeiro turno e evitar uma grande crise que pode afetar não somente o Brasil, mas toda a América Latina.

Nos meses seguintes, a Pública se preparou para cobrir a eleição mais importante desde a redemocratização. Sabíamos que, mais uma vez, a desinformação seria usada como estratégia política para confundir eleitores, manipular a opinião pública e desestabilizar a democracia. Em parceria com pesquisadores como David Nemer, pesquisador da Universidade de Harvard e professor na Universidade da Virgínia, lançamos o projeto Sentinela Eleitoral, que mostrou como a desinformação é “fabricada”. Além de reportagens, publicamos análises de pesquisadores sobre a desinformação e sobre os discursos violentos utilizados na eleição, como o ataque de Bolsonaro à jornalista Vera Magalhães no debate da Band, que deu origem a uma onda de assédio online à jornalista.

O Sentinela Eleitoral revelou que, em 2022, dobrou o número de congressos conservadores realizados no Brasil, mostrou como Michelle Bolsonaro assumiu protagonismo na campanha de Jair e expôs as relações entre bolsonaristas e a direita norte-americana, que espalhou mentiras sobre as eleições no Brasil. Revelamos ainda a figura por trás de grupos de Telegram, Jackson Villar, incitando a violência contra eleitores de Lula e contra as urnas eletrônicas. Essa reportagem fez com que o Ministro do TSE, Alexandre de Moraes, obrigasse o Telegram a suspender os grupos administrados por ele, que contavam com mais de 200 mil membros.

Também lançamos a newsletter Xeque na Democracia, sobre ameaças à democracia e desinformação. Às segundas-feiras, nossa diretora-executiva, Natalia Viana faz análises sobre como o debate público tem sido manipulado com desinformação e de onde surgem essas estratégias, que estão longe de serem só conversas em aplicativos de mensagens. A newsletter foi idealizada durante o período que Natalia passou na Universidade de Harvard, como fellow da Fundação Nieman.

No início de julho, tivemos certeza de que teríamos que retomar nossa cobertura sobre violência nas eleições, feita em 2018 e em 2020: Marcelo Arruda, tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu (PR), foi assassinado por um bolsonarista enquanto comemorava seu aniversário. A festa tinha Lula como tema. Nossa equipe monitorou casos a partir do início oficial da campanha eleitoral, em 16 de agosto. Até o segundo turno, em 30 de outubro, registramos ao menos 15 assassinatos motivados por questões políticas. Mostramos também como a violência afeta candidatos e candidatas que se veem obrigados a andar com escolta. Na mira dos agressores, estão principalmente mulheres negras, trans e indígenas, o que dificulta ainda mais seu acesso a cargos eletivos.

No dia da eleição, quando a Polícia Rodoviária Federal contrariou a ordem do Ministro Alexandre de Moraes e fez operações para fiscalizar ônibus que levavam eleitores aos locais de votação, Rubens Valente mostrou como a PRF, liderada pelo bolsonarista Silvinei Vasques, se aproveitou de uma brecha na ordem de Moraes, que falava em “transporte disponibilizado aos eleitores”. Naquela tarde, reportagem de Alice Maciel e Bruno Fonseca revelou também que foram parados cinco vezes mais ônibus na região nordeste do que no sul do país. Nos dias seguintes, revelamos que manifestações golpistas já vinham sendo organizadas pelo Telegram antes do segundo turno, mostramos que empresários catarinenses enviaram caminhões para bloquear estradas e que a mesma Polícia Rodoviária que no dia da eleição fez ações que prejudicaram eleitores, disse a bolsonaristas que não iria multá-los pelos bloqueios nas rodovias

As eleições ocuparam boa parte de nossa pauta, é verdade, mas não só. As violações de direitos humanos se agravaram em todos os setores durante o governo Bolsonaro. Em abril, a Pública revelou que o iFood, gigante do delivery no país, contratou duas agências de publicidade para desmobilizar os movimentos de entregadores do app. A reportagem teve acesso a um vídeo de uma reunião em que funcionários de uma das agências se vangloriavam por ter “matado o Galo”, em referência a Paulo Galo, líder do movimento de entregadores antifascistas. O caso ganhou repercussão e a CPI dos Aplicativos da Câmara Municipal de São Paulo decidiu ouvir as agências de publicidade denunciadas pela reportagem, e nossas investigações foram citadas no relatório final da comissão. O Conar, órgão que regula a propaganda no país, também passou a apurar o caso. 

2022 foi o ano em que “dobramos as metas”, nos aprimoramos e produzimos mais. Foi também o ano em que nosso tradicional programa de Microbolsas, reproduzido por diversos veículos no Brasil, completou dez anos. Até aqui, foram mais de 360 mil reais distribuídos para repórteres do país todo e 60 reportagens publicadas. E, pela primeira vez, em 2022 lançamos uma edição das microbolsas voltada exclusivamente para repórteres indígenas, contribuindo para seu protagonismo nas denúncias e a investigações sobre as ameaças que os atingem. Alguns repórteres já estão em campo, contando com nosso apoio e mentoria. Outros cinco serão selecionados em uma nova etapa, com inscrições abertas até 30 de janeiro.

Nossa produção de podcasts também aumentou. O Pauta Pública, antes quinzenal, tornou-se semanal. Foram 26 episódios com entrevistas que nos ajudam a entender melhor o Brasil. Figuras como Marcos Nobre, Sabrina Fernandes, Gregório Duvivier e Vladimir Safatle passaram pelo Pauta neste ano. Nossa equipe de podcasts também publicou neste ano os últimos quatro episódios da primeira temporada da série Amazônia Sem Lei, baseada em nossas investigações na Amazônia. Para 2023, teremos ainda mais podcasts, inclusive uma nova temporada do Amazônia Sem Lei. 

E por falar em outros formatos, em 2022 lançamos o livro “Furos, mentiras e segredos revelados”, que traz artigos de nossos diretores, conselheiros e equipe sobre os primeiros dez anos da Pública. O livro foi lançado pela editora Elefante e está disponível nas livrarias.

Livro esmiúça uma década de reportagens da Agência Pública

Também temos muito a agradecer neste ano. A nossos aliados e a nossa equipe que nos trouxe 12 prêmios, alguns deles os mais importantes do jornalismo brasileiro e latino-americano. O podcast Até que se prove o contrário ganhou o Prêmio Vladimir Herzog na categoria Jornalismo em Áudio. A reportagem que revelou a máquina oculta de propaganda do iFood foi finalista do Prêmio Gabo, menção honrosa no Premio Latinoamericano de Periodismo de Investigación e ganhou o 39º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo na Categoria Online. Tivemos outras 6 menções no Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo: duas menções honrosas na categoria áudio, para os podcasts Até que se prove o contrário e Amazônia Sem Lei, e o segundo e terceiro lugar e uma menção honrosa na categoria online. O Mapa dos Conflitos, feito a partir de dados da CPT sobre conflitos de terra, ganhou o prêmio Design For a Better World.

Em 2023, queremos lançar ainda mais newsletters e podcasts, e fazer coberturas ainda melhores e maiores da desinformação, das mudanças climáticas, da atuação dos fundamentalistas religiosos na política. Também estaremos de olho no terceiro governo Lula e em suas promessas de ouvir e incluir a população e os movimentos sociais.

Mas nossa primeira missão em 2023 é abrir a caixa-preta do governo Bolsonaro e descobrir o que foi escondido pelos sigilos de 100 anos e outros truques. Antes de 2022 acabar, teremos feito dezenas de pedidos de acesso à informação e nossa equipe começa o ano de mangas arregaçadas, debruçada sobre dados e documentos para trazer à luz o que foi escondido da população. Vamos precisar de tempo, de pessoas dedicadas, teremos que viajar o país todo. E para isso temos que contar com você, nos ajudando a chegar a 2 mil apoiadores em nosso programa de Aliados até janeiro. Você pode nos ajudar a cumprir essa resolução para 2023 agora, apoiando a Pública.

Mais lidas

Bloqueio de estradas já estava sendo articulado nas redes semanas antes da votação

1 de novembro de 2022 | por e

Bolsonaristas defendem intervenção militar no Telegram após resultado das eleições 

31 de outubro de 2022 | por

Bolsonaro pediu para excluir de entrevista fala sobre aborto, diz ex-editor da Playboy

10 de outubro de 2022 | por

Entrevista de ex-editor foi concedida a site de Goiânia. “Falou, isso nunca foi publicado"

Homem conhecido como "índio do buraco"

Símbolo da resistência dos indígenas isolados no país, “índio do buraco” é achado morto

27 de agosto de 2022 | por

O indígena tornou-se um símbolo da resistência dos isolados também porque repetidamente se recusou ao contato; com sua morte, destino dos 8 mil hectares está em risco

Defensores do homeschooling no Brasil recomendam castigos físicos de crianças

18 de julho de 2022 | por , , e

Contrariando a lei, grupos influentes promovem violência física como ferramenta educativa - enquanto ensino domiciliar está prestes a ser regulamentado pelo Senado

Em discurso, à tribuna no Senado, senadora Simone Tebet.

Fazendeira e ruralista, Simone Tebet perde aliados no MS ao se afastar do bolsonarismo

5 de julho de 2022 | por

Proprietária em região de conflito com os Guarani-Kaiowá, senadora já defendeu indenizações em dinheiro para fazendas em áreas indígenas e suspensão de demarcações

Arthur Lira é um homem branco com cabelos grisalhos; ele veste um terno preto e está com o telefone no ouvido

Justiça obrigou Arthur Lira a reconhecer paternidade de filha com doença rara

9 de junho de 2022 | por

Presidente da Câmara questionou paternidade confirmada em exame de DNA. Mãe recorreu ao Estado para bancar remédio essencial para tratamento de epilepsia e autismo

Caso Rubens Valente revela nova censura e põe em risco liberdade de imprensa

6 de maio de 2022 | por

“É um atentado à liberdade de expressão e de informação”, diz jornalista, condenado por STJ e STF a indenizar ministro Gilmar Mendes pela publicação do livro “Operação Banqueiro”

A máquina oculta de propaganda do iFood

4 de abril de 2022 | por

Como agências de publicidade a serviço do app de delivery criaram perfis falsos em redes sociais e infiltraram agente em manifestação para desmobilizar movimento de entregadores

Imagem mostra torneira aberta, com água escorrendo

Exclusivo: água da torneira tem produtos químicos e radioativos em 763 cidades brasileiras

7 de março de 2022 | por , e

Em SP e SC água esteve imprópria entre 2018 e 2020; 1 em cada 4 cidades que fizeram testes encontraram substâncias acima do limite

Reportagens de impacto

Em 2022, o jornalismo da Pública causou impactos reais e discussões relevantes para a sociedade. Relembre alguns casos:

1) A máquina oculta de propaganda do iFood: A reportagem que revelou que o iFood contratou agências de publicidade para desmobilizar o movimento de entregadores foi a que mais bombou este ano. Por conta da reportagem, o assunto foi discutido na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Aplicativos da Câmara Municipal de São Paulo. A vereadora Luana Alves (PSOL), pediu à CPI explicações sobre suposta campanha de desmobilização do iFood. A CPI fez diligência na sede do iFood e também ouviu as agências denunciadas, que se recusaram a responder as perguntas. Além disso, o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) acionou a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) contra o iFood e agências de publicidade contratadas pela empresa. O  Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) também abriu apuração sobre o caso. A reportagem também foi citada no relatório final da CPI, que cobra mais controle sobre a atividade das empresas de aplicativo e pede mais segurança para entregadores e motoristas.

2) Grupos do Telegram banidos. A Pública analisou gravações enviadas em grupos de Telegram bolsonaristas por Jackson Villar, evangélico e apoiador de Bolsonaro. Os grupos, administrados pelo próprio Jackson, contavam com mais de 200 mil membros. Dentre o conteúdo dos áudios, o bolsonarista ameaçou agredir eleitores de Lula e quebrar urnas eletrônicas. No dia seguinte à publicação da reportagem, decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) excluiu dois grupos de Villar pela manifestação pública de informações falsas sobre as urnas eletrônicas. Dias depois, o TSE baniu outros dois grupos, dessa vez, a motivação da exclusão foi a articulação ilegal em apoio aos bloqueios de estradas por bolsonaristas que acontecem desde a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A publicação da reportagem fez com que nosso editor, Thiago Domenici, sofresse ataques de Jackson e seus apoiadores. Entretanto, fomos fortalecidos por uma rede de organizações e jornalistas que prestaram solidariedade e apoio à Pública em defesa da liberdade de imprensa. 

3) Coronel exonerado. Revelamos que, depois de deixar a presidência do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o coronel Homero Cerqueira foi trabalhar para a Confederação Nacional de Mineração (CNMI), organização que defende “os interesses de milhares de mineradoras pelo país”. Como Diretor de Assuntos Ambientais e Sustentabilidade da entidade, ele participou de encontros, reuniões e audiências públicas sobre a legalização do garimpo na Área de Proteção Ambiental do Tapajós, no Pará. O presidente da CNMI é Bruno Cecchini, empresário com uma extensa lista de pedidos de extração mineral na Agência Nacional de Mineração (ANM) e que foi indiciado pela Polícia Federal pela suspeita de chefiar uma organização criminosa que exporta ouro ilegal para a Europa. Após a publicação da reportagem, o coronel Cerqueira foi exonerado da diretoria da CNMI — e ainda justificou a exoneração, dizendo que desconhecia Cecchini, o presidente da Confederação.  

4) Lei Rouanet pró-armas. Revelamos que o secretário de fomento à cultura, o ex-PM André Porciúncula, prometeu R$1 bilhão da Lei Rouanet para financiar eventos e conteúdos audiovisuais pró-armas. A reportagem pautou a imprensa nacional. Foi republicada no UOL, na Carta Capital e no Brasil 247, e repercutida no Jornal Nacional, no jornal O Globo, na Folha de S. Paulo, no Metrópoles e na Globo News. Após a repercussão nacional das reportagens da Pública, Mônica Bergamo publicou na coluna da Folha que o ex-secretário da Cultura Mario Frias e André Porciúncula tornaram-se alvo de representações junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Tribunal de Contas da União (TCU) por conta de denúncias feitas pela deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ). O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) também apresentou uma ação na Procuradoria da República do DF contra o ex-Secretário de Fomento à Cultura.

5) Serra do Curral. Em meio à polêmica envolvendo a exploração minerária da Serra do Curral, cartão-postal de Belo Horizonte, revelamos que o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), nomeou para a presidência do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha) a prima do diretor executivo e sócio da empresa que quer minerar a serra, a Taquaril Mineração S/A (Tamisa). O Ministério Público abriu uma notícia de fato para apurar a nomeação. Em sessão na Assembleia Legislativa, ocorrida em julho, a nova presidente do Iepha-MG, Marília Palhares Machado, confirmou o parentesco com diretor executivo da Tamisa, como revelado pela reportagem.

Mais republicadas

Exclusivo: água da torneira tem produtos químicos e radioativos em 763 cidades brasileiras
Defensores do homeschooling no Brasil recomendam castigos físicos de crianças
Secretário de fomento à cultura promete R$ 1 bilhão da Lei Rouanet para conteúdo pró-armas
André Porciuncula é um homem branco com cabelos castanhos. Ele veste camiseta branca escrito "pró-armas" e segura um microfone na mão. Na imagem ele está discursando sobre o uso de recursos da Lei Rouanet para produção de conteúdos armamentistas

40 republicações, UOL, Sul 21, Carta Capital

Leia mais.

Sem que entregadores saibam, iFood tem contrato que prevê direitos trabalhistas
“Matar e quebrar urnas”: evangélico líder de motociata incentiva crimes no Telegram

38 republicações – UOL, Nexo Jornal, Brasil 247

Leia mais.

Aliados

Ao longo deste ano, mais de 1.600 pessoas apoiaram o jornalismo valente da Pública participando de nosso programa de Aliados.  

Agora, estamos fazendo a campanha de arrecadação mais ousada de nossa história: queremos chegar a 2.000 apoiadores para abrir a caixa-preta do governo Bolsonaro e investigar tudo o que ele escondeu dos brasileiros. Estamos perto de alcançar a meta. Faça parte desse time doando aqui: aliados.apublica.org

Eleição

As eleições de 2022 foram decisivas para o futuro da democracia no Brasil. A Pública investigou as ameaças à democracia em diferentes frentes: monitoramos a desinformação que circula nas redes e influencia o debate público; cobrimos a violência política no país; investigamos os candidatos ao governo dos estados da Amazônia Legal e a atuação de fundamentalistas religiosos e grupos conservadores. 

  • Sentinela Eleitoral

O projeto Sentinela Eleitoral investigou o caminho da desinformação nas redes. Monitoramos grupos de Telegram bolsonaristas e mostramos como a desinformação circulou e como foram feitas e as articulações para atos golpistas. 

Bloqueio de estradas já estava sendo articulado nas redes semanas antes da votação

1 de novembro de 2022 | por e

Entrevista: Como funciona a máquina populista digital de Bolsonaro

17 de outubro de 2022 | por

Vera Magalhães, jornalista e apresentadora do Roda Viva

Caso Vera Magalhães: Bolsonaro odeia as mulheres porque odeia a democracia

30 de agosto de 2022 | por

A construção do reinado de Michelle nas redes bolsonaristas

11 de agosto de 2022 | por , e

  • Governadores contra o Clima

Na série Governadores contra o Clima, investigamos os governadores dos estados da Amazônia que eram candidatos à reeleição e operam com a agenda anti-ambiental e anti-índigena de Bolsonaro. Foram feitas reportagens em Rondônia, Mato Grosso, Acre, Amazonas e Roraima. Olhamos para as alianças que os sustentam, os impactos de políticas estaduais de meio ambiente de seus últimos mandatos e o favorecimento dos setores econômicos (formais e informais) a que os governadores estão ligados. Todos eles foram reeleitos.

Acre tem um terço de florestas na mira de grileiros e caminha para “rondonização”

29 de setembro de 2022 | por

O desmatamento e a grilagem aumentaram no governo de Gladson Cameli, que vê no modelo do vizinho a solução para o estado

Dobradinha Denarium/Bolsonaro em Roraima mantém garimpo em Terra Yanomami

28 de setembro de 2022 | por

No estado em que metade das terras são indígenas é o garimpo que define as eleições, mas não sobrevive sem apoio federal

Governador de RO “passou boiada” com lei que fez desmatamento explodir em parque estadual

26 de setembro de 2022 | por

Turbinada por deputados, lei reduziu unidades de conservação e estimulou invasões

Amazonas vive descontrole na segurança pública — mas tema passa longe da eleição

23 de setembro de 2022 | por

Ex-apresentador de programa policial, bolsonarista Wilson Lima tenta reeleição em meio a escalada de violência

Juiz “pecuarista” de Rondônia tinha contrato de arrendamento de gado em fazenda de invasor

25 de agosto de 2022 | por

Preso na semana passada, Hedy Carlos Soares já tinha sido investigado pelo CNJ por suspeita de favorecimento a fazendeiro multado por desmatamento ilegal

Ex ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi

Em Mato Grosso, quem manda nas eleições é o agro

16 de agosto de 2022 | por

Rei da soja, Blairo Maggi manobra governador Mauro Mendes, apoia Geller ao Senado e adere a Lula deixando MT sem alternativa política ao agronegócio

Governador do MT pressionou Agência Nacional de Águas por hidrelétricas no Pantanal

1 de agosto de 2022 | por

Flexibilização da legislação defendida por Mauro Mendes beneficia a empresa Maturati e uma Pequena Central Hidrelétrica que pertence ao filho do governador

  • Violência Eleitoral

Nas duas últimas eleições, a Agência Pública vem cobrindo casos de violência. Em 2022, mapeamos e investigamos casos de violência contra eleitores, candidatos, mesários e também contra jornalistas.

  • Cobertura Nacional

Durante o período eleitoral, nossas equipes em São Paulo e em Brasília investigaram as ações do governo e de candidatos, casos de abuso de poder, a atuação de grupos evangélicos conservadores na política.

Dívida de igrejas com a União dobrou durante governo Bolsonaro

16 de novembro de 2022 | por , , e

R$ 1,13 bilhão do total de R$ 2,15 bilhões em dívidas foi acumulado entre 2019 e 2022

Conheça quem bancou a ida de tratores no 7 de setembro em Brasília

8 de setembro de 2022 | por e

Identificamos os proprietários de 24 dos 28 veículos que participaram do evento na Esplanada

Presidente da República, Jair Bolsonaro recebendo Honras Militares ao desembarcar na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN)

Partido militar: mais de 1,5 mil candidatos militares concorrem nas eleições neste ano

16 de agosto de 2022 | por e

Candidatos militares somam patrimônio multimilionário; 158 declararam R$ 1 milhão ou mais de bens, incluindo generais do governo Bolsonaro, como Pazuello

Podcasts

  • Pauta Pública

O Pauta Pública mudou em 2022: a repórter Clarissa Levy passou a fazer parte da bancada do podcast junto com Andrea Dip, passamos a entrevistar pessoas de diferentes áreas do conhecimento, não só jornalistas, e o podcast passou a ser semanal. Relembre os episódios mais ouvidos:

39 | Limites da democracia – com Marcos Nobre

Pauta Pública recebeu cientista social que lançou novo livro onde analisa fatos políticos no Brasil a partir de 2013.

Ouça agora!

49 | O negócio do Jair – com Juliana Dal Piva

Jornalista retornou ao podcast para detalhar apuração de seu novo livro, que aborda patrimônio de Bolsonaro e seu clã.

Ouça agora!

31 | Brasil 2022, tem jeito? – com Vladimir Safatle

Pauta Pública recebeu o professor e filósofo para uma conversa sobre as perspectivas políticas do Brasil.

Ouça agora!

  • Amazônia Sem Lei

Este ano, publicamos os quatro últimos episódios da primeira temporada do podcast. Conduzido pelas vozes de Clarissa Levy e Ricardo Terto, o Amazônia sem Lei é um podcast narrativo que existe para contar histórias do que está em jogo na Amazônia.

10 | O Mapa dos Conflitos na Amazônia

Episódio de podcast detalha os dados sobre conflitos no campo da última década.

Ouça agora!

Coluna

Em 2022, Rubens Valente passou a ser colunista da Pública. Repórter há mais de 30 anos, neste espaço ele traz reportagens e informações exclusivas, com foco em temas socioambientais e políticos.

Bolsonaro mentiu de novo e não, os Yanomami não têm o canibalismo como prática

6 de outubro de 2022 | por

Yanomami Junior Hekurari desmente Bolsonaro: "Coloca aí na sua matéria: ‘Presidente candidato mentiroso’.”

Homem conhecido como "índio do buraco"

Símbolo da resistência dos indígenas isolados no país, “índio do buraco” é achado morto

27 de agosto de 2022 | por

O indígena tornou-se um símbolo da resistência dos isolados também porque repetidamente se recusou ao contato; com sua morte, destino dos 8 mil hectares está em risco

Projetos e coberturas

  • Vale do Javari

A Agência Pública foi um dos primeiros veículos a enviar uma equipe de reportagem para o Vale do Javari, para se unir ao esforço de jornalistas de todo o mundo na tentativa de elucidar as circunstâncias do assassinato de Dom Phillips e Bruno Pereira e informar o público sobre as ações das autoridades e instituições no caso. Leia aqui todas as reportagens.

Chácara onde Bruno Pereira e outros servidores da Funai moraram por um tempo, feita de madeira e com grafites em todas as paredes externas

A cidade adotada por Bruno na Amazônia reflete sua perda

21 de junho de 2022 | por e

O caldo de mocotó e o Sport, o cacique irmão na defesa do Javari: as memórias que Bruno deixou em Atalaia, além de uma casinha branca e uma pequena biblioteca

Amarildo da Costa de Oliveira "Pelado" chegando no porto de Atalaia do Norte com delegado Alex Perez Timóteo

Bruno estava “atrapalhando os negócios” dos assassinos, diz investigador da polícia civil

20 de junho de 2022 | por e

No sentido contrário do que afirmou a PF em nota na semana passada, a Polícia Civil segue investigando se houve ou não mandante para o crime

Casa de apoio na margem do rio Ituí onde Bruno e Dom dormiram a ultima noite antes de desaparecerem na região do Vale do Javari

Na última viagem de Bruno e Dom, nada de “aventura”

15 de junho de 2022 | por , , e

Há dez dias Bruno e Dom desapareceram no rio Itaquaí; hoje, a Polícia Federal diz que um dos suspeitos confirmou o assassinato e que "remanescentes humanos" serão periciados

Oseney dos Santos, acusado pela morte de Bruno e Dom no Vale do Javari.

Irmão de Pelado é preso por suspeita de “homicídio qualificado”, segundo delegado

14 de junho de 2022 | por , , e

Preso preventivamente, delegado diz que "testemunhas teriam colocado" Oseney e seu irmão, Amarildo, no local do crime

  • Amazônia Sem Lei

O especial investiga violência relacionada à regularização fundiária, demarcação de terras e reforma agrária na Amazônia Legal e no Cerrado. Leia aqui todas as reportagens.

Quem está destruindo as unidades de conservação do Cerrado

3 de agosto de 2022 | por e

Empresários ligados a políticos, agronegociantes e até órgãos governamentais estão na lista. Em 13 anos, foram mais de 3.800 multas que totalizam cerca de R$ 235 milhões

Como o lobby de um militar da reserva favoreceu mineradoras canadenses na Amazônia

21 de fevereiro de 2022 | por

Nos bastidores, velho conhecido de Mourão no Exército faz a ponte entre governo e Forbes & Manhattan, banco responsável por Belo Sun e Potássio do Brasil no exterior

  • Mapa dos Conflitos

O Mapa dos Conflitos é uma ferramenta exclusiva lançada pela Pública em parceria com a Comissão Pastoral da Terra (CPT) que, por meio de análise inédita de dados, investiga e mapeia dados socioambientais das ocorrências de conflitos no campo na Amazônia Legal entre 2011 e 2020.

  • Emergência Climática

O projeto Emergência Climática investiga a relação entre emissões de carbono e violações de direitos de povos e comunidades tradicionais. Investigamos como o governo Bolsonaro agiu contra os povos originários e o meio-ambiente, e quais as consequências de suas ações. Também investigamos a atuação de empresas, os lobbies das corporações, o crime organizado, a exploração predatória, a pobreza e a fome que atingem as vidas das comunidades tradicionais, principais protagonistas dessa cobertura. Leia aqui todas as reportagens.

“Já atingimos ponto de não retorno” em algumas regiões da Amazônia, diz pesquisadora

5 de setembro de 2022 | por

Marlene Quintanilla coordenou o estudo "Amazônia contra o relógio: Um diagnóstico regional sobre onde e como proteger 80% até 2025", lançado nesta segunda

Zequinha Marinho, senador do Pará pelo Partido Liberal

‘Chama o Zequinha’: como um senador abriu as portas do governo a grileiros da Amazônia

30 de agosto de 2022 | por

A Terra Indígena Ituna Itatá, no Pará, é o principal alvo de Zequinha Marinho, que busca remover a restrição de uso da terra, protegida pela Constituição

Imagem aérea do Território Indígena Porquinhos, no Maranhão.

Governo Bolsonaro certificou 239 mil hectares de fazendas dentro de áreas indígenas

19 de julho de 2022 | por , e

Desde de 2020, mais de 400 fazendas foram certificadas dentro de territórios indígenas graças a normativa da Funai. Medida foi apoiada por Nabhan Garcia

Despacho de presidente do Ibama pode custar ao menos R$ 3,6 bilhões à União

27 de junho de 2022 | por e

Levantamento exclusivo da Pública identificou 6.297 processos referentes a infrações ambientais que podem ser afetados pela canetada de Eduardo Bim

  • A Lava Jato de Tocantins

O especial revela a história não contada de uma operação da Polícia Federal que alterou todo o cenário eleitoral de 2022 no Tocantins, levando à queda do quarto governador do estado em 15 anos. Leia aqui todas as reportagens.

Em 15 anos, 4 mandatos de governador não foram concluídos no Tocantins

13 de outubro de 2022 | por e

Racha na Polícia Civil está na origem da suspeita Operação Éris que derrubou o último governador, Mauro Carlesse

Em gravação, delegado da PF pressiona testemunha por “colaboração” no Tocantins

13 de outubro de 2022 | por e

Investigado diz que PF “se valeu de subterfúgios para ocultar provas” da investigação que levou à queda de governador

  • Tabaco e Saúde Mental

Nesta série, revelamos como as famílias agricultoras do tabaco estão expostas a agrotóxicos que acarretam sofrimento mental, depressão e suicídio. Leia aqui todas as reportagens.

Intoxicação crônica ao plantar tabaco foi “sua exclusiva culpa”

18 de janeiro de 2022 | por , e

Agricultor seguiu as regras de plantio impostas pela indústria do cigarro e adoeceu — mas o trauma neurológico que o incapacitou para sempre é problema dele, diz fumageira

Depressão, ansiedade e suicídios: a realidade dos que plantam tabaco no Brasil

Depressão, ansiedade e suicídios: a realidade dos que plantam tabaco no Brasil

17 de janeiro de 2022 | por , e

Exposição a agrotóxicos traz sofrimento mental e esgotamento de famílias agricultoras que garantem ao país a liderança mundial no mercado de exportação de fumo

  • Microbolsas Alimentação e Mudanças Climáticas

Em 2022, publicamos as reportagens feitas na 14ª edição das Microbolsas, sobre a relação entre alimentação e mudanças climáticas. Leia aqui todas as reportagens.

Vão se os bois, ficam os danos

Vão-se os bois, ficam os danos

19 de agosto de 2022 | por

Moradores de Aurora do Tocantins, onde o rebanho bovino é maior do que a população, nem sempre têm acesso à carne vermelha, mas precisam lidar com impactos ambientais

Extremos climáticos ameaçam roças e culturas indígenas no rio Negro

29 de julho de 2022 | por , e

Mudanças colocam em risco alimentação e os modos de vida dos povos que mantêm cultivos seguindo o sistema agrícola tradicional na região de São Gabriel (AM)

  • Microbolsas Indígenas

Neste ano, lançamos uma edição das microbolsas voltada para repórteres indígenas. A segunda chamada para inscrições está aberta até 31 de janeiro. Repórteres indígenas de todo o Brasil podem inscrever pautas investigativas para realizar reportagens sobre as ameaças e agressões às terras indígenas e as comunidades que nelas vivem. As 5 propostas vencedoras ganharão uma bolsa de R$ 7.500 para produzir a reportagem, com mentoria e edição da Pública. As primeiras reportagens serão publicadas em janeiro de 2023.

  • Ferramenta do Impeachment

Seguimos monitorando os pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro. Até o fechamento desta retrospectiva, registramos 153 pedidos enviados ao presidente da Câmara dos Deputados. Jair Bolsonaro é o presidente com mais pedidos de impeachment da história do Brasil. 

Colaborações

  • Defensores do homeschooling no Brasil

Em parceria com a openDemocracy, investigamos os grupos que defendem a educação domiciliar no Brasil. Treinamento oferecido pelo maior grupo de promoção do homeschooling no país encoraja pais a bater em suas crianças “calma e pacientemente” como forma de educar.

  • Diplomacia nas sombras

O projeto Diplomacia nas sombras é uma investigação global inédita do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) e do site americano ProPublica sobre o envolvimento de cônsules honorários em atos ilegais ou controvérsias públicas. No Brasil, participam a Pública e o Metrópoles. Encontramos, em parceria com o Metrópoles, doze casos de cônsules honorários que atuaram no Brasil e estavam envolvidos em suspeitas ou escândalos relacionados à corrupção, grilagem de terras e contrabando.

  • Por trás do alimento

Desde o fim de 2018, investigamos em parceria com a Repórter Brasil o uso e a liberação de agrotóxicos no país.

14 mil pessoas foram intoxicadas por agrotóxicos durante governo Bolsonaro

15 de dezembro de 2022 | por , e

Casos levaram a uma morte a cada três dias; número real de intoxicações pode ser até 50 vezes maior

Brasil, país dos agrotóxicos

15 de dezembro de 2022

Durante quatro anos de Bolsonaro, o Brasil registrou mais de 14 mil intoxicações por agrotóxicos agrícolas

Imagem mostra drone sobrevoando área aberta

Cresce uso de drones para pulverizar agrotóxicos em plantações no Brasil

2 de maio de 2022 | por e

Uso de aeronaves também pode causar intoxicação por agrotóxicos, alertam especialistas, que cobram mais fiscalização por parte do governo

Imagem mostra torneira aberta, com água escorrendo

Exclusivo: água da torneira tem produtos químicos e radioativos em 763 cidades brasileiras

7 de março de 2022 | por , e

Em SP e SC água esteve imprópria entre 2018 e 2020; 1 em cada 4 cidades que fizeram testes encontraram substâncias acima do limite

  • Desinformação nas eleições

Com o objetivo de monitorar o fluxo de desinformação às vésperas e durante as eleições, nos juntamos ao Aos Fatos e ao Núcleo Jornalismo em uma colaboração inédita. Combinamos esforços no monitoramento e no mapeamento de publicações em diversas plataformas digitais, como WhatsApp, Telegram, Facebook, Instagram, Gettr e outras.

Segundo turno teve enxurrada de fake news

2 de novembro de 2022 | por , , , , , , , , , , , , , e

A desinformação que viralizou no primeiro turno

4 de outubro de 2022 | por , , , , , , , , , , , , e

Prêmios

Prêmio Vladimir Herzog

O episódio “O que os olhos não vêem” do podcast Até que se prove o contrário foi o vencedor da categoria produção jornalística em áudio.

Prêmio Latinoamericano de Periodismo de Investigación

A reportagem “A máquina oculta de propaganda do iFood” recebeu menção honrosa.

Prêmio Jornalismo e Direitos Humanos
  • O podcast Até que se prove o contrário recebeu menção honrosa na categoria Áudio;
  • O episódio “Quem lucra com os rios que secam”, do podcast Amazônia Sem Lei recebeu menção honrosa na categoria Áudio;
  • A reportagem “A máquina oculta de propaganda do iFood” ganhou o 1º lugar na categoria Online
  • O Mapa dos Conflitos ficou em 2º lugar na categoria Online;
  • A série “Tabaco e Saúde Mental” ficou em 2º lugar na categoria Online;
  • A reportagem “‘Ou escolhe um lado ou morre’: facções pressionam detentos e presidiários no Amazonas” ficou em 3º lugar na categoria Online;
  • A reportagem “Como o Lobby de um militar da reserva favoreceu mineradoras canadenses na Amazônia” ganhou menção honrosa na categoria Online;
Prêmio Design for a Better World

O Mapa dos Conflitos foi o vencedor da categoria Design Gráfico, Design Digital, UX e UI.

Prêmio de Jornalismo AMIG – Mineração em Foco

A reportagem “Dinheiro público financia poluição por carvão e destruição ambiental no Sul do país” ficou em 1º lugar na categoria texto.

Prêmio ACI/OCESC

A reportagem “Inferno no meio-oeste” ficou em 3º lugar na categoria texto.

Financiadores

OAK Foundation

Apoio Institucional

Ford Foundation

Apoio Institucional

Open Society Foundations

Apoio Institucional

The Reva & David Logan Foundation

Traduções e Parcerias Internacionais

Instituto Ibirapitanga

Projeto Por Trás do Alimento

Instituto Clima e Sociedade (ICS)

Investigações sobre Emergência Climática

Climate and Land Use Alliance (CLUA)

Investigações sobre Emergência Climática e Jornada de Comunicação e Audiências

Norwegian Program to Support Indigenous People

Microbolsas Repórteres Indígenas

Porticus

Investigações sobre Emergência Climática

Cátedra Josué de Castro

Microbolsas Alimentação e Mudanças Climáticas

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC)

Microbolsas Alimentação e Mudanças Climáticas

Google News

Google WebStories

Google News Equity Fund

Investigações sobre igualdade de gênero

Report for the World

Fellowship – Investigações sobre igualdade de gênero

Friedrich Ebert Stiftung

Investigações sobre violência política de Gênero

Pulitzer Center

Cobertura Vale do Javari – Terra de Conflitos e Crime Organizado

Fundação Heinrich Böll

Sentinela Eleitoral

Desinformante

Sentinela Eleitoral

WWF-Brasil

Microbolsas Petróleo e Mudanças Climáticas

Open Democracy

Investigação sobre Educação Domiciliar

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Tânia Meinerz/Agência Pública
José Medeiros/Agência Pública
Reprodução Editora Elefante
Unsplash
Reprodução YouTube
José Cícero/Agência Pública
Reprodução Redes Sociais
Inge Snip
Matt Rota/ICIJ

Mais recentes

Saiba quem é e o que disse o policial legislativo do Senado investigado por atos golpistas

3 de fevereiro de 2023 | por

Alexandre Hilgenberg é servidor desde 1996; no dia 8 de janeiro ele pediu apoio a invasão do Congresso em suas redes

Parlamentares participam de sessão na Câmara dos Deputados

As igrejas que dominam a nova ala evangélica na Câmara

2 de fevereiro de 2023 | por

Assembleia de Deus, Batista e IURD reúnem 58% dos 93 parlamentares evangélicos empossados na atual Legislatura

Agricultor Neri Gomes de Souza mostra sua plantação no assentamento Roseli Nunes

Agrotóxicos colocam em risco produção agrofamiliar em assentamento no Mato Grosso

2 de fevereiro de 2023 | por e

Relatório aponta contaminação da água de rios, poços, chuva e até caixa d'água da escola por 10 tipos de agrotóxicos